Calquence Bula

Calquence

Como o Calquence funciona?


Calquence age inibindo a atividade de uma enzima chamada
tirosina quinase de Bruton (BTK). A BTK é responsável pela
multiplicação, sobrevivência e disseminação das células, o que pode
ajudar no crescimento e desenvolvimento de alguns tipos de câncer,
como o LCM. Portanto, o uso de Calquence pode ajudar na diminuição
do crescimento e da propagação do câncer, além de ajudar na morte
dessas células. O tempo médio para uma resposta completa ao
tratamento é de 3 a 4 meses após início.

Contraindicação do Calquence

Não tome Calquence se você for alérgico (hipersensibilidade) ao
acalabrutinibe ou a quaisquer dos ingredientes de sua composição.
Se você não tiver certeza disso, fale com o seu médico antes de
tomar Calquence.

Se você apresentar quaisquer sinais de reação alérgica
(urticária, dificuldade para respirar ou inchaço no seu rosto, sua
língua ou garganta), durante o tratamento com Calquence, procure
socorro médico imediatamente.

Como usar o Calquence

Calquence deve ser engolido inteiro com água aproximadamente na
mesma hora todos os dias.

Calquence pode ser tomado com ou sem alimento. A cápsula não
deve ser mastigada, dissolvida ou aberta.

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou
mastigado.

Posologia do Calquence


A dose recomendada de Calquence é de 100 mg duas vezes ao dia
(equivalente à dose diária total de 200 mg), e não deve exceder o
limite de 200 mg por dia.

As doses devem ser separadas por aproximadamente 12 horas.

O tratamento com Calquence deve ser iniciado e supervisionado
por um médico experiente no uso de terapias oncológicas, e deve
continuar até a progressão da doença ou toxicidade inaceitável.

Crianças

Não há experiência no tratamento de crianças com Calquence.

Idosos (≥ 65 anos)

Não é necessário ajuste de dose.

Insuficiência renal

Não é recomendado o ajuste de dose em pacientes com
insuficiência renal de leve a moderada. Não há experiência no
tratamento de pacientes com insuficiência renal grave ou doença
renal em fase terminal.

Insuficiência hepática

Não é recomendado o ajuste de dose em pacientes com
insuficiência hepática leve ou moderada. Não há experiência no
tratamento de pacientes com insuficiência renal grave.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os
horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu
médico.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar
o Calquence?


Se você esquecer de tomar uma cápsula de Calquence por mais de 3
horas, você deverá tomar apenas a próxima dose programada em seu
horário habitual. Não se deve tomar cápsulas adicionais de
Calquence para compensar a dose.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico
ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Precauções do Calquence

Foram relatadas as seguintes condições em pacientes com
neoplasias hematológicas tratados com Calquence em
monoterapia:

  • Problemas hemorrágicos (hemorragia) podem ocorrer durante o
    tratamento com Calquence e podem sergraves. O seu risco de
    hemorragia pode aumentar se também estiver tomando um medicamento
    que aumenta os riscos de sangramento. Informe o seu médico se tiver
    algum sinal ou sintoma de sangramento, incluindo sangue nas fezes
    ou fezes escuras; urina rosa ou marrom; sangramento inesperado ou
    sangramento grave que você não consegue controlar; vômito com
    sangue ou que se parece com grãos de café; tosse com sangue ou
    coágulos sanguíneos; tontura; fraqueza; confusão; mudanças na fala;
    e dor de cabeça que dura muito tempo.
  • Infecções podem ocorrer durante o tratamento com Calquence.
    Estas infecções podem ser graves e podem levar à morte. Informe
    imediatamente o seu médico se tiver febre, arrepios ou sintomas de
    gripe.
  • Diminuição da contagem de células sanguíneas (glóbulos brancos,
    plaquetas e glóbulos vermelhos) são comuns com o Calquence, mas
    também podem ser graves. Seu médico deve solicitar testes
    sanguíneos mensais para verificar as suas contagens de células
    sanguíneas.
  • Problemas de ritmo cardíaco (fibrilação atrial e palpitação)
    ocorreram em pessoas tratadas com Calquence. Informe o seu médico
    se tiver algum dos sinais ou sintomas de batimento cardíaco
    rápido ou irregular; tontura; desmaio; falta de ar; e desconforto
    no peito.
  • Novas neoplasias malignas primárias. Novos cânceres ocorreram
    em pessoas durante o tratamento com Calquence, incluindo cânceres
    da pele. Use proteção solar quando exposto ao sol.

Antes de tomar Calquence, informe o seu médico sobre
todas as suas condições médicas, incluindo se você:

  • Teve uma cirurgia recente ou planeja fazer uma cirurgia;
  • Tem problemas de sangramento;
  • Tem ou teve problemas de ritmo cardíaco;
  • Tem uma infecção;
  • Tem ou teve infecção pelo vírus da hepatite B;
  • Está grávida ou planeja engravidar. O Calquence pode prejudicar
    o seu bebê;
  • Amamenta ou planeja amamentar. Não se sabe se Calquence passa
    para o leite materno. Não amamente durante o tratamento com o
    Calquence e durante 2 dias após a sua dose final de Calquence.

Informe o seu médico sobre todos os medicamentos que você toma,
incluindo medicamentos prescritos e isentos de prescrição,
vitaminas e suplementos de ervas. Tomar Calquence com outros
medicamentos pode afetar a forma como Calquence funciona ou o
funcionamento dos outros medicamentos, e pode causar efeitos
colaterais. Informe o seu médico se estiver tomando outros
medicamentos que aumentam os riscos de sangramento, incluindo:
ácido acetilsalicílico (AAS, Aspirina) e anti-inflamatórios
não-esteroidais, como ibuprofeno ou naproxeno; anticoagulantes tais
como varfarina, heparina ou outras medicações para prevenir
ou tratar a formação de coágulos sanguíneos; e suplementos que
podem aumentar o risco de sangramento, tais como óleo de peixe e
vitamina E.

Calquence tem pouca ou nenhuma influência sobre a capacidade de
dirigir veículos e operar máquinas. No entanto, durante o
tratamento com acalabrutinibe, fadiga e tonturas foram relatadas.
Ao apresentar esses sintomas, deve-se ter cautela quando se dirige
ou se opera uma máquina.

Gravidez

Calquence pode causar danos ao feto quando administrado a
mulheres grávidas. O uso de Calquence não é recomendado durante a
gravidez e por mulheres com potencial de engravidar que não estejam
utilizando métodos contraceptivos.

Categoria de risco na gravidez C.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres
grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente seu médico em
caso de suspeita de gravidez.

Amamentação

A amamentação deve ser descontinuada durante o tratamento com
Calquence e durante 2 dias após receber a última dose.

Uso Pediátrico

A segurança e eficácia de Calquence em pacientes pediátricos não
foi estabelecida.

Reações Adversas do Calquence

As reações adversas ao medicamento (RAMs) descritas a seguir
foram identificadas em estudos clínicos com pacientes que receberam
Calquence em monoterapia como tratamento para neoplasias
hematológicas.

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes
que utilizam este medicamento)

Diarreia, náuseas, constipação (prisão de ventre), vômito, dor
abdominal, dor de cabeça, contusão, erupção cutânea, hemorragia,
hematoma, anormalidades laboratoriais (exames de sangue),
diminuição da contagem absoluta de neutrófilos, diminuição da
hemoglobina, diminuição das plaquetas.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que
utilizam este medicamento)

Epistaxe (sangramento nasal).

Os dados de segurança descritos abaixo refletem a
exposição de 124 pacientes, previamente tratados para LCM, ao
Calquence (100 mg duas vezes ao dia) no estudo LY-004:

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes
que utilizam este medicamento)

Anemia, trombocitopenia, dor de cabeça, neutropenia, diarreia,
fadiga, mialgia, contusões, diminuição da hemoglobina, diminuição
das plaquetas, diminuição dos neutrófilos.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que
utilizam este medicamento)

Náusea, constipação, vômito, erupção cutânea,
hemorragia/hematoma, epistaxe.

Não foram observadas diferenças clinicamente relevantes na
segurança ou eficácia entre pacientes idosos e jovens.

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as
pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo
que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos
adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu
médico ou cirurgião-dentista.

Composição do Calquence

Cada cápsula dura contém:

100 mg de acalabrutinibe.

Excipientes:

celulose microcristalina, dióxido de silício, amido, estearato
de magnésio e amidoglicolato de sódio.

Cápsula dura:

gelatina, dióxido de titânio, óxido de ferro amarelo e azul de
indigotina.

Tinta de impressão:

goma laca, óxido de ferro preto, propilenoglicol e hidróxido de
amônio.

Apresentação do Calquence


Cápsulas duras de 100 mg em embalagem com 60 cápsulas.

Via oral.

Uso adulto.

Superdosagem do Calquence

Os sintomas da superdose não foram estabelecidos. Não há
tratamento específico para a superdose do Calquence.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento,
procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do
medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você
precisar de mais orientações.

Interação Medicamentosa do Calquence

Evite a administração concomitante de indutores fortes do CYP3A
(por exemplo, fenitoína, rifampicina e carbamazepina) ou inibidores
potentes do CYP3A (por exemplo, cetoconazol, conivaptan,
claritromicina, indinavir, itraconazol, ritonavir, telaprevir,
posaconazol, voriconazol), com Calquence. Caso não seja possível,
seu médico poderá orientá-lo sobre a melhor conduta a ser
tomada.

Evite tratamento concomitante com erva de São João e com
inibidores da bomba de prótons.

Se o tratamento com um medicamento redutor do ácido gástrico for
necessário, considerar o uso de um antagonista do receptor H2 (por
exemplo, ranitidina ou famotidina) ou um antiácido (por exemplo,
carbonato de cálcio). Para uso com antiácidos, espace a dosagem em
pelo menos 2 horas. Para os antagonistas do receptor H2, tome
Calquence 2 horas antes de tomar o antagonista do receptor H2.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está
fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico.
Pode ser perigoso para a sua saúde.

Ação da Substância Calquence

Resultados de Eficácia


Eficácia clínica

A segurança e a eficácia da Acalabrutinibe (substância ativa) no
LCM foram avaliadas em um estudo de Fase 2, aberto,multicêntrico e
de braço único (ACE-LY-004) com 124 pacientes previamente tratados.
Todos os pacientes receberam Acalabrutinibe (substância ativa) 100
mg por via oral duas vezes ao dia até a progressão da doença ou
toxicidade inaceitável. O estudo não incluiu pacientes que
receberam tratamento anterior com inibidores da BTK (tirosina
quinase de Bruton). O desfecho primário foi a taxa de resposta
global (TRG) avaliada pelo investigador pela classificação de
Lugano para linfoma não Hodgkin (LNH). A duração da resposta (DR)
foi uma medida adicional de resultado. Os resultados de eficácia
são apresentados na Tabela 1.

A idade média dos pacientes foi 68 anos (variando de 42 a 90
anos); 79,8% eram homens e 74,2% eram caucasianos. Na linha basal,
92,8% dos pacientes tiveram um nível de desempenho na ECOG
(Eastern Cooperative Oncology Group – Grupo Oncológico
Cooperativo do Leste) de 0 ou 1. O tempo médio desde o diagnóstico
foi de 46,3 meses e o número médio de tratamentos anteriores foi de
2 (intervalo de 1 a 5), incluindo 17,7% com transplante prévio de
células tronco. Os regimes de tratamento anteriores mais comuns
foram baseados em CHOP (ciclofosfamida, adriamicina, vincristina e
prednisona) (51,6%) e ARA-C (citarabina) (33,9%). Na linha basal,
37,1% dos pacientes apresentavam pelo menos um tumor com o diâmetro
≥ 5 cm, 72,6% apresentavam envolvimento nodal extra, incluindo
50,8% com envolvimento da medula óssea.

O índice de prognostico internacional do linfoma de células do
manto (MIPI) simplificado (que inclui idade, pontuação ECOG e
contagem basal de lactato desidrogenase e glóbulos brancos) foi
intermediário em 43,5% e alto em 16,9% dos pacientes.

Tabela 1. Taxa de Resposta Global e Duração da Resposta
em pacientes com LCM (ACE-LY-004)

Avaliada pelo Investigador
N = 124

Avaliada pelo Comitê de Revisão Independente (CRI)
N = 124

n (%) (IC de 95%*)

n (%) (IC de 95%*)

Taxa de Resposta Global (TRG)

Taxa de Resposta
Global
100 (80,6%) (72,6,
87,2)
99 (79,8%) (71,7,
86,5)
Resposta Completa 49 (39,5%) (30,9,
48,7)
49 (39,5%) (30,9,
48,7)
Resposta Parcial 51 (41,1%) (32,4,
50,3)
50 (40,3%) (31,6,
49,5)
Doença Estável 11 (8,9%) (4,5,
15,3)
9 (7,3%) (3,4,
13,3)
Doença Progressiva 10 (8,1%) (3,9,
14,3)
11 (8,9%) (4,9,
15,3)
Não
Avaliável
3 (2,4%) (0,5, 6,9) 5 (4,0%) (1,3, 9,2)

Duração da Resposta (DR)

Média (meses)

NA (13,5, NR)

NA (14,8, NR)

DR de Referência

Estimativa de 12 meses (%) (IC de
95%)

72,1 (61,6, 80,2)

72,3 (61,9, 80,2)

Estimativa de 18 meses (%) (IC de
95%)

63,3 (49,4, 74,3)

56,0 (38,2, 70,6)

IC = intervalo de confiança; NA = não atingido.
* Intervalo de confiança binomial exato de 95%.
Inclui indivíduos sem avaliação adequada pós-basal da
doença.

Com base na avaliação do investigador, 92% dos pacientes que
responderam ao tratamento obtiveram uma resposta no segundo ciclo,
com uma média de tempo de resposta documentada de 1,9 meses. A DR
média não foi alcançada em média de 15,2 meses de acompanhamento
após o início do tratamento. Setenta e dois por cento (72%) dos
pacientes apresentaram uma resposta contínua aos 12 meses pela
estimativa de Kaplan-Meier.

A TRG foi consistente entre todos os subgrupos
pré-especificados, incluindo idade, nível do
desempenho, estágio da doença e número de terapias
anteriores.

Linfocitose

Após início do tratamento com Acalabrutinibe (substância ativa),
houve um aumento temporário da contagem de linfócitos (definido
como contagem absoluta de linfócitos ≥ 50% do valor basal, e uma
avaliação posterior basal ≥ 5×109) em 31,15% dos pacientes do
estudo LY-004. O tempo médio para início da linfocitose foi de 1,1
semana, e a sua duração média foi de 6,7 semanas.

Referências Bibliográficas

Barf et. al – Acalabrutinib
(ACP-196): A Covalent Bruton Tyrosine Kinase Inhibitor with a
Differentiated Selectivity and In Vivo Potency Profile. J Pharmacol
Exp Ther. 2017 Nov;363(2):240-252. doi: 10.1124/jpet.117.242909.
Epub 2017 Sep 7.
Byrd et al – Acalabrutinib (ACP-196) in Relapsed Chronic
Lymphocytic Leukemia. N Engl J Med. 2016 Jan 28;374(4):323-32. doi:
10.1056/NEJMoa1509981. Epub 2015 Dec 7.
Wang et al – Acalabrutinib in relapsed or refractory mantle cell
lymphoma (ACE-LY-004): a single-arm, multicentre, phase 2 trial.
Lancet. 2017 Dec 11. pii: S0140-6736(17)33108-2. doi:
10.1016/S0140-
6736(17)33108-2.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento
Calquence.

Características Farmacológicas


Mecanismo de ação

O Acalabrutinibe (substância ativa) é um inibidor seletivo de
BTK. BTK é uma molécula de sinalização do receptor de antígenos das
células B (BCR) e das vias dos receptores das citocinas. A
sinalização pela BTK resulta em sobrevivência e proliferação das
células B, e é necessária para a adesão celular, transporte e
quimiotaxia. O Acalabrutinibe (substância ativa) e o seu metabolito
ativo, ACP-5862, formam uma ligação covalente com um resíduo de
cisteína no sitio ativo da BTK, levando à inativação irreversível
de BTK (IC50 ≤ 5 nM), com interações mínimas fora do alvo. Em uma
triagem de 380 quinases de tipo selvagem de mamíferos, as únicas
interações adicionais de quinases em concentrações clinicamente
relevantes de Acalabrutinibe (substância ativa) e ACP-5862 foram
com BMX e ERBB4, com potência de 3 a 4 vezes menor do que com a
BTK.

Em estudos não clínicos, Acalabrutinibe (substância ativa)
inibiu a ativação mediada por BTK das proteínas CD86 e CD69 de
desregulação, inibiu a proliferação e sobrevivência de células B
malignas e teve atividade mínima em outras células imunes (células
T e células NK).

Efeitos Farmacodinâmicos

Em pacientes com neoplasias das células B submetidos a doses de
100 mg de Acalabrutinibe (substância ativa) duas vezes ao dia,
manteve-se a ocupação média de BTK no estado de equilíbrio de ≥ 95%
no sangue periférico por mais de 12 horas, resultando em inativação
de BTK ao longo do intervalo de dosagem recomendado.

Eletrofisiologia Cardíaca

Em um estudo QT dedicado, com dose 4 vezes maior que a dose
máxima recomendada, concluiu-se que Acalabrutinibe (substância
ativa) não prolonga o intervalo QT/QTc a nenhuma extensão
clinicamente relevante (ou seja, não superior ou igual a 10
ms).

Propriedades Farmacocinéticas

A farmacocinética de Acalabrutinibe (substância ativa) foi
estudada em indivíduos saudáveis e em pacientes com neoplasia das
células B. O Acalabrutinibe (substância ativa) exibe uma
farmacocinética quase linear em um intervalo de dose de 75 a 250 mg
e apresenta proporcionalidade à dose. Na dose recomendada de 100 mg
duas vezes ao dia, a área sob a curva (ASC) de concentração do
medicamento no plasma diária foi de 1111 ng•h/mL e a concentração
plasmática máxima (Cmáx) de Acalabrutinibe (substância ativa) foi
de 323 ng/mL.

Absorção

O tempo médio para o pico das concentrações plasmáticas de
Acalabrutinibe (substância ativa) (Tmáx) foi de 0,75 horas. A
biodisponibilidade absoluta de Acalabrutinibe (substância ativa)
foi de 25%.

Distribuição

A ligação reversível de Acalabrutinibe (substância ativa) à
proteína plasmática humana foi de 97,5% A proporção média in
vitro
de sangue-plasma foi de 0,7. O volume médio de
distribuição (Vss) no estado de equilíbrio foi aproximadamente 34
L.

Biotransformação/Metabolismo

In vitro, o Acalabrutinibe (substância ativa) é
predominantemente metabolizado pela enzima CYP3A e, em menor grau,
pela conjugação de glutationa e pela hidrólise de amida. O ACP-5862
foi identificado como o principal metabólito no plasma com
exposição geométrica média (ASC) de aproximadamente 2 a 3 vezes
maior que a exposição ao Acalabrutinibe (substância ativa). Em
relação à inibição da BTK, o ACP-5862 é aproximadamente 50% menos
potente que o Acalabrutinibe (substância ativa).

In vitro, o Acalabrutinibe (substância ativa) é um
inibidor fraco de CYP3A4/5, CYP2C8 e CYP2C9, mas não inibe CYP1A2,
CYP2B6, CYP2C19 e CYP2D6.

O metabólito ativo (ACP-5862) é um inibidor fraco de CYP2C8,
CYP2C9 e CYP2C19, mas não inibe in vitro CYP1A2, CYP2B6,
CYP2D6 ou CYP3A4/5. O Acalabrutinibe (substância ativa) é um
indutor fraco de CYP1A2, CYP2B6 e CYP3A4; o metabólito ativo
(ACP-5862) induz fracamente o CYP3A4.

Interações com proteínas de transporte

O Acalabrutinibe (substância ativa) in vitro não é um
substrato de transportadores de absorção renal OAT1, OAT3 e OCT2,
ou transportadores hepáticos. O ATP1B1 e OATP1B3. O Acalabrutinibe
(substância ativa) não inibe OAT1, OAT3, OCT2, OATP1B1 e OATP1B3 em
concentrações clinicamente relevantes.

Efeitos de Acalabrutinibe (substância ativa) em P-gp e
BCRP

In vitro, o Acalabrutinibe (substância ativa) é um
substrato da glicoproteína P (P-gp) e da proteína de resistência ao
câncer de mama BCRP, mas não inibe P-gp. O Acalabrutinibe
(substância ativa) pode inibir os substratos BCRP intestinais.

Eliminação

Após uma única dose oral de 100 mg de Acalabrutinibe (substância
ativa), a meia-vida de eliminação terminal média (t1/2) de
Acalabrutinibe (substância ativa) foi 0,9 horas (intervalo: 0,6 a
2,8 horas). A t1/2 do seu metabolito ativo, ACP-5862, foi 6,9
horas.

A média da depuração oral aparente (CL/F) de Acalabrutinibe
(substância ativa) foi de 159 L/h, com farmacocinética similar
entre pacientes e indivíduos saudáveis, baseado na análise da
farmacocinética populacional.

Após a administração de uma dose única de 100 mg de
[14C]-Acalabrutinibe (substância ativa) radiomarcado em indivíduos
saudáveis, 84% da dose foi recuperada nas fezes e 12% da dose foi
recuperada na urina, com menos de 1% da dose excretada como
Acalabrutinibe (substância ativa) inalterado.

Populações especiais

Com base na análise farmacocinética populacional, idade, sexo,
etnia (caucasiana, afro-americana), e peso corporal não tiveram
efeitos clinicamente significativos na farmacocinética de
Acalabrutinibe (substância ativa).

Insuficiência renal

Acalabrutinibe sofre uma eliminação renal mínima. Não foi
realizado estudo farmacocinético em pacientes com insuficiência
renal. Com base na análise farmacocinética populacional, nenhuma
diferença farmacocinética clinicamente relevante foi observada em
282 pacientes com insuficiência renal leve (TFGe entre 60 e 89
mL/min/1,73m2 estimado por MDRD e 86 pacientes com
insuficiência renal moderada (TFGe entre 30 e 59
mL/min/1,73m2) em comparação a 226 pacientes com função
renal normal (TFGe maior ou igual a 90 mL/min/1,73m2). A
farmacocinética do Acalabrutinibe (substância ativa) é desconhecida
em pacientes com insuficiência renal grave (TFGe inferior a 29
mL/min/1,73m2) ou insuficiência renal que requer
diálise. Pacientes com níveis de creatinina superiores a 2,5 vezes
o limite superior normal institucional não foram incluídos nos
ensaios clínicos.

Insuficiência hepática

O Acalabrutinibe (substância ativa) é metabolizado no fígado. Em
um estudo de insuficiência hepática, em comparação com indivíduos
com função hepática normal (n = 6), a exposição ao Acalabrutinibe
(substância ativa) (ASC) foi aumentada em 1,9
vezes e 1,5 vezes em indivíduos com insuficiência hepática leve (n
= 6) (Child-Pugh A) e moderada (n = 6)(Child-Pugh B),
respectivamente. Com base em uma análise farmacocinética
populacional, não foi observada qualquer diferença clinicamente
relevante nas exposições de Acalabrutinibe (substância ativa) entre
indivíduos com insuficiênciahepática leve (n = 41) ou moderada (n =
3) (bilirrubina total entre 1,5 a 3 vezes o LSN e qualquer
AST) quando comparados a indivíduos com função hepática normal (n =
527) (bilirrubina total e AST dentro do LSN). A farmacocinética do
Acalabrutinibe (substância ativa) não foi avaliada em pacientes com
insuficiência hepática grave (Child-Pugh C ou bilirrubina total
entre 3 a 10 vezes ULN e qualquer AST).

Dados de segurança pré-clínica

Carcinogenicidade

Estudos de carcinogenicidade não foram realizados com
Acalabrutinibe (substância ativa).

Genotoxicidade / Mutagenicidade

O Acalabrutinibe (substância ativa) não foi mutagênico no ensaio
de mutação reversa bacteriana, no ensaio in vitro de
aberração cromossômica, ou em um ensaio in vivo de
micronúcleo de medula óssea de rato.

Toxicidade de dose repetida

A administração oral diária de Acalabrutinibe (substância ativa)
por até 6 meses em ratos, e por até 9 meses em cães, foi tolerada
em níveis de exposição que excedem as exposições terapêuticas
humanas na dose recomendada (4 vezes em ratos, 14 vezes em cães,
com base na ASC).

Em ratos, observaram-se efeitos renais incluindo degeneração
tubular em exposições 7 vezes superiores ou mais à dose humana
recomendada. Os efeitos renais foram reversíveis com recuperação
completa em ratos expostos a níveis 7 vezes a dose humana
recomendada, e com recuperação parcial em ratos com exposições
maiores (12 vezes ou mais).

Em ratos, foram observados achados hepáticos reversíveis em
resposta à dose, incluindo necrose hepatocitária individual, após
exposição de 7 vezes superior ou mais à dose humana recomendada. Em
ratos, foram observadas toxicidades cardíacas (hemorragia
miocárdica, inflamação, necrose) em exposições equivalentes a 12
vezes ou mais a dose humana recomendada, e foram associadas à morte
prematura. A reversão dos problemas cardíacos não pôde ser
avaliada, já que esses problemas apenas foram observados em doses
acima da dose máxima tolerada. Em exposições que representam 7
vezes a dose humana recomendada, não foram observadas toxicidades
cardíacas.

Toxicologia Reprodutiva

Não foram observados efeitos sobre a fertilidade em ratos machos
ou fêmeas nas exposições 18 ou 16 vezes maiores que a exposição da
ASC humana na dose recomendada, respectivamente.

Em um estudo combinado sobre fertilidade e desenvolvimento
embriofetal em ratas fêmeas, Acalabrutinibe (substância ativa) foi
administrado oralmente em doses de até 200 mg/kg/dia, com início 14
dias antes do acasalamento até o dia 17 de gestação. Não foram
observados efeitos no desenvolvimento embriofetal e na
sobrevivência do feto. A ASC das ratas prenhas que administraram a
dose de 200 mg/kg/dia foi aproximadamente 16 vezes maior que a ASC
em pacientes que administraram a dose recomendada de 100 mg duas
vezes por dia. Foi confirmada a presença do Acalabrutinibe
(substância ativa) e seu metabólito ativo no plasma fetal de
ratos.

Em um estudo embriofetal em coelhas prenhas, Acalabrutinibe
(substância ativa) foi administrado por via oral em doses de até
200 mg/kg/dia durante o período da organogênese (dias gestacionais
6 a 8). Acalabrutinibe não produziu toxicidade materna nem
evidência de teratogenicidade ou comprometimento no
desenvolvimento, crescimento ou sobrevivência fetal em doses de 50
mg/kg/dia (aproximadamente equivalente à exposição da ASC humana na
dose recomendada). Foram observadas diminuição do peso corporal
fetal e atraso na ossificação em níveis de exposição que produziram
toxicidade materna (doses ≥ 100 mg/kg/dia), que foram
aproximadamente 4 vezes superiores aos níveis de exposição humana
na dose recomendada.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento
Calquence.

Cuidados de Armazenamento do Calquence

Você deve conservar Calquence em temperatura ambiente (15ºC a
30ºC).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide
embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido.
Guarde-o em sua embalagem original.

Aspecto físico

Cápsulas duras com tampa azul e corpo amarelo, com a sigla “ACA
100 mg” impressa em tinta preta.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso
ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no
aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá
utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das
crianças.

Dizeres Legais do Calquence

MS – 1.1618.0269.001-0

Farm. Resp.:

Dra. Gisele H. V. C. Teixeira
CRF-SP nº 19.825

Fabricado por:

AstraZeneca AB (Gärtunavägen) – Södertälje – Suécia

Importado por:

AstraZeneca do Brasil Ltda.
Rod. Raposo Tavares, km 26,9 – Cotia – SP – CEP 06707-000
CNPJ 60.318.797/0001-00
Indústria Brasileira

Venda sob prescrição médica.

Todas as marcas nesta embalagem são propriedade ou foram
depositadas pelo grupo de empresas AstraZeneca.

Calquence, Bula extraída manualmente da Anvisa.

Remedio Para – Indice de Bulas A-Z.

Compartilhe esta página!

Remédio Para Fóruns Bulas de Medicamentos Calquence Bula

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #2313
    Anônimo
    Convidado

    Calquence Bula

    Compartilhe suas experiências sobre este medicamento com outros usuários.
      • Utilizou este Remédio para?
      • Efeitos colaterais.
      • Resultados.
      • Indicações, sugestões e dicas!
    Acessar a Bula do medicamento.
    Calquence Bula Completa extraída da Anvisa
Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.
Scroll to top