Asetisin Bula

Asetisin

No resfriado comum ou na gripe, para o alívio sintomático da dor
e da febre.
– Apresenta ação fungicida e antisséptica, atuando no tratamento de
infecções micóticas da pele.

Contraindicação do Asetisin

Úlceras pépticas ativas.
Diátese hemorrágica.
Hipersensibilidade ao ácido acetilsalicílico, a outros salicilatos
ou a qualquer outro componente da fórmula do produto.
História de asma induzida pela administração de salicilatos ou
substâncias com ação similar, principalmente fármacos
antiinflamatórios não-esteróides.
Combinação com metotrexato em dose de 15 mg/semana ou mais.
Último trimestre de gravidez.
– Hipersensibilidade à fórmula.

Como usar o Asetisin

Adultos: 1 a 2 comprimidos. Se necessário, repetir a cada 4 a 8
horas, não excedendo 8 comprimidos por dia.A partir de 12 anos: 1
comprimido. Se necessário, repetir a cada 4 a 8 horas, até 3 vezes
por dia.Tomar preferencialmente após as refeições.

Precauções do Asetisin

Comprimido revestido

O Ácido Acetilsalicílico (substância ativa) deve ser
utilizado com cautela nos seguintes casos:

  • Hipersensibilidade a analgésicos, anti-inflamatórios ou
    antirreumáticos e em presença de outras alergias;
  • Histórico de úlceras gastrintestinais, incluindo úlcera crônica
    ou recidivante ou histórico de sangramentos gastrintestinais;
  • Tratamento concomitante com anticoagulantes;
  • Em pacientes com insuficiência renal ou pacientes com
    insuficiência na circulação cardiovascular (por exemplo, doença
    vascular renal, insuficiência cardíaca congestiva, depleção do
    volume, cirurgia de grande porte, septicemia ou evento hemorrágico
    importante), uma vez que o Ácido Acetilsalicílico (substância
    ativa) pode aumentar o risco de dano renal ou insuficiência renal
    aguda;
  • Em pacientes que sofrem de deficiência grave de
    glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD), o Ácido Acetilsalicílico
    (substância ativa) pode induzir a hemólise ou anemia hemolítica.
    Fatores que podem aumentar o risco de hemólise são, por exemplo,
    altas doses, febre ou infecções agudas;
  • Disfunção hepática;
  • Alguns anti-inflamatórios não-esteroidais (AINEs), como
    ibuprofeno e naproxeno, podem atenuar os efeitos inibitórios do
    Ácido Acetilsalicílico (substância ativa) sobre a agregação
    plaquetária. Pacientes em tratamento com Ácido Acetilsalicílico
    (substância ativa) que utilizarem AINEs devem informar o seu
    médico;
  • O Ácido Acetilsalicílico (substância ativa) pode desencadear
    broncoespasmo e induzir ataques de asma ou outras reações de
    hipersensibilidade. Os fatores de risco são a presença de asma
    preexistente, febre do feno, pólipos nasais ou doença respiratória
    crônica. Esse conceito aplica-se também aos pacientes que
    apresentem reações alérgicas (por exemplo, reações cutâneas,
    prurido e urticária) a outras substâncias;
  • Devido ao efeito de inibição da agregação plaquetária, que
    persiste por vários dias após a administração, o Ácido
    Acetilsalicílico (substância ativa) pode conduzir a uma tendência
    de aumento de sangramento durante e após intervenções cirúrgicas
    (incluindo cirurgias de pequeno porte, como por exemplo, extrações
    dentárias);
  • Em doses baixas, o Ácido Acetilsalicílico (substância ativa)
    reduz a excreção do ácido úrico. Essa redução pode desencadear
    crises de gota em pacientes predispostos.

Comprimido efervescente e comprimido

  • Hipersensibilidade a analgésicos, agentes anti-inflamatórios,
    antirreumáticos ou na presença de outras alergias;
  • Histórico de úlceras gastrintestinais, incluindo úlcera crônica
    ou recorrente, ou histórico de sangramentos gastrintestinais;
  • Tratamento concomitante com anticoagulantes;
  • Pacientes com comprometimento da função renal ou da circulação
    cardiovascular (por exemplo:

    • Doença reno-vascular, insuficiência cardíaca congestiva,
      depleção de volume, cirurgia de grande porte, sepsis ou eventos
      hemorrágicos graves), uma vez que o ácido acetilsalicílico pode
      aumentar o risco de comprometimento renal e insuficiência renal
      aguda;
  • Comprometimento da função hepática.

O ácido acetilsalicílico pode desencadear broncoespasmo e crises
de asma ou outras reações de hipersensibilidade.

Os fatores de risco são:

Asma preexistente, rinite alérgica, pólipos nasais ou doença
respiratória crônica. Este conceito também se aplica para pacientes
que apresentem reações alérgicas (por exemplo: reações cutâneas,
prurido e urticária) a outras substâncias.

Devido ao seu efeito inibitório da agregação plaquetária, o qual
persiste por vários dias após a administração, o ácido
acetilsalicílico pode levar a um aumento da tendência a
sangramentos durante e após intervenções cirúrgicas (inclusive
cirurgias de pequeno porte, como por exemplo, extrações
dentárias).

Em doses baixas, o ácido acetilsalicílico reduz a excreção de
ácido úrico podendo desencadear crises de gota em pacientes
predispostos.

Em pacientes que sofrem de deficiência grave de
glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD), o ácido acetilsalicílico
pode induzir a hemólise ou anemia hemolítica. Dose elevada, febre
ou infecções agudas são fatores que podem aumentar o risco de
hemólise.

É recomendada cautela quanto ao uso de ácido ascórbico em
pacientes com predisposição para nefrolitíase por oxalato de cálcio
ou nefrolitíase recorrente.

Cada comprimido efervescente de Ácido Acetilsalicílico
(substância ativa) efervescente contém 933 mg de sódio por
comprimido efervescente. Este valor deve ser levado em consideração
ao determinar a dieta em pacientes com restrição de sódio.

Crianças e adolescentes

Produtos contendo Ácido Acetilsalicílico (substância ativa),
como Ácido Acetilsalicílico (substância ativa), não devem ser
utilizados por crianças e adolescentes para quadros de infecções
virais com ou sem febre, sem antes consultar um médico. Em certas
doenças virais, especialmente as causadas por varicela e vírus
influenza A e B, há risco da Síndrome de Reye, uma doença muito
rara, mas com potencial risco para a vida do paciente, que requer
ação médica imediata. O risco pode aumentar quando o Ácido
Acetilsalicílico (substância ativa) é administrado
concomitantemente na vigência desta doença embora a relação causal
não tenha sido comprovada. Vômitos persistentes na vigência destas
doenças podem ser um sinal de Síndrome de Reye.

Crianças ou adolescentes não devem usar este medicamento
para catapora ou sintomas gripais antes que um médico seja
consultado sobre a síndrome de reye, uma rara, mas grave doença
associada a este medicamento.

Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar
máquinas

Não se observaram efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos
e operar máquinas.

Gravidez

A inibição da síntese de prostaglandinas pode afetar
adversamente a gravidez e/ou o desenvolvimento embrio/fetal. Dados
de estudos epidemiológicos consideram a possibilidade de aumento do
risco de aborto e de malformações após o uso de inibidores da
síntese de prostaglandinas no início da gravidez. Acredita-se que o
risco aumente com a dose e a duração do tratamento. Os dados
disponíveis não revelam nenhuma associação entre o uso do Ácido
Acetilsalicílico (substância ativa) e o aumento do risco de aborto.
Os dados epidemiológicos disponíveis para o Ácido Acetilsalicílico
(substância ativa), sobre malformações, não são consistentes, mas
não se pode excluir o aumento do risco de gastrosquise. Um estudo
prospectivo com cerca de 14.800 pares mãe-filho expostos no início
da gestação (1º ao 4º mês) não demonstrou qualquer associação com
um índice elevado de malformações.

Estudos em animais demonstram toxicidade reprodutiva.

Não se recomenda o uso de medicamentos que contenham Ácido
Acetilsalicílico (substância ativa) durante o primeiro e o segundo
trimestres de gravidez, a menos que seja realmente necessário. Em
caso de necessidade de uso destes medicamentos por mulheres que
pretendam engravidar ou durante o primeiro e o segundo trimestres
de gravidez, as doses e a duração do tratamento devem ser as
menores possíveis.

Durante o terceiro trimestre de gravidez, todos os
inibidores da síntese de prostaglandinas podem expor:

O feto a:

  • Toxicidade cardiopulmonar (com fechamento prematuro do ducto
    arterioso e hipertensão pulmonar);
  • Disfunção renal, que pode progredir para insuficiência renal,
    com oligohidrâmnios.

A mãe e a criança no final da gestação a:

  • Possível prolongamento do tempo de sangramento, um efeito
    antiagregante que pode ocorrer mesmo após doses muito baixas;
  • Inibição das contrações uterinas levando a atraso ou
    prolongamento do trabalho de parto.

Exclusivo comprimido efervescente

O uso do Ácido Acetilsalicílico (substância ativa) é
contraindicado no último trimestre de gestação, apresentando
categoria de risco na gravidez D para tal período. Durante os dois
primeiros trimestres de gestação, o Ácido Acetilsalicílico
(substância ativa) deve ser utilizado com cautela, se realmente
necessário, apresentando categoria de risco na gravidez C para tal
período.

Consequentemente, o Ácido Acetilsalicílico (substância ativa) é
contraindicado durante o terceiro trimestre de gestação.

Categoria D – Este medicamento não deve ser utilizado
por mulheres grávidas sem orientação médica. Informe imediatamente
seu médico em caso de suspeita de gravidez. 

Lactação

Os salicilatos e seus metabólitos passam para o leite materno em
pequenas quantidades. Como não se observaram até o momento efeitos
adversos no lactente após uso eventual, em geral, é desnecessária a
interrupção da amamentação.

Entretanto, com o uso regular ou ingestão de altas doses, a
amamentação deve ser descontinuada precocemente.

Comprimido 

Não há necessidade de recomendações especiais para o uso do
produto em idosos, crianças (acima de 12 anos) ou pacientes de
grupos de risco, desde que observadas as advertências, precauções e
posologia mencionadas nesta bula.

Fonte: Bula do Profissional do
Medicamento Aspirina®.

Reações Adversas do Asetisin

Distúrbios do trato gastrintestinal superior e inferior, tais
como sinais e sintomas comuns de dispepsia, dor abdominal e
gastrintestinal. Raramente inflamação e úlcera gastrintestinal,
potencialmente, mas muito raramente levando a úlcera
gastrintestinal com hemorragia e perfuração, com os respectivos
sinais e sintomas clínicos e laboratoriais.

Devido ao seu efeito inibitório sobre as plaquetas, o Ácido
Acetilsalicílico (substância ativa) pode ser associado ao aumento
do risco de sangramento. Observaram-se sangramentos tais como
hemorragia perioperatória, hematomas, epistaxe, sangramento
urogenital e sangramento gengival. Foram raros a muito raros os
relatos de sangramentos graves, como hemorragia do trato
gastrintestinal, hemorragia cerebral (especialmente em pacientes
com hipertensão não controlada e/ou em uso concomitante de
antihemostáticos), que em casos isolados podem apresentar potencial
risco para a vida do paciente.

Hemorragia pode resultar em anemia pós-hemorrágica/anemia por
deficiência de ferro (devido a, por exemplo, microssangramento
oculto) aguda e crônica, com respectivos sinais e sintomas clínicos
e laboratoriais, como astenia, palidez e hipoperfusão.

Hemólise e anemia hemolítica foram relatadas em pacientes com
forma grave de deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase
(G6PD).

Foram relatados dano renal e insuficiência renal aguda. Reações
de hipersensibilidade com suas respectivas manifestações clínicas e
laboratoriais inclusive síndrome asmática, reações leves a
moderadas que potencialmente afetam a pele, trato respiratório,
trato gastrintestinal e sistema cardiovascular, incluindo sintomas
como eritema (rash), urticária, edema, prurido, rinite, congestão
nasal, dificuldade cardiorrespiratória e muito raramente, reações
graves, incluindo choque anafilático.

Relatou-se muito raramente disfunção hepática transitória com
aumento das transaminases hepáticas.

Relataram-se tontura e zumbido, que podem ser indicativos de
superdose.

Exclusivo Comprimido revestido

Resumo do perfil de segurança

As reações adversas listadas são baseadas em relatos espontâneos
pós-comercialização com todas as formulações de Ácido
Acetilsalicílico (substância ativa), incluindo tratamento oral de
curto e longo prazo, desta forma, a organização de acordo com as
categorias de frequências CIOMS III não se aplica.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de
Notificações em Vigilância Sanitária – Notivisa, disponível em

Asetisin, Bula extraída manualmente da Anvisa.

Remedio Para – Indice de Bulas A-Z.

Compartilhe esta página!

Remédio Para Fóruns Bulas de Medicamentos Asetisin Bula

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #1175
    Anônimo
    Convidado

    Asetisin Bula

    Compartilhe suas experiências sobre este medicamento com outros usuários.
      • Utilizou este Remédio para?
      • Efeitos colaterais.
      • Resultados.
      • Indicações, sugestões e dicas!
    Acessar a Bula do medicamento.
    Asetisin Bula Completa extraída da Anvisa
Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.
Scroll to top