Open post

Remédios para dor de garganta

A dor e inflamação da garganta pode ser aliviada com os seguintes remédios:

Estes remédios devem ser utilizados de acordo com a indicação do médico ou de acordo com a posologia da bula e, caso não exista melhora da dor de garganta após 2 dias ou surjam outros sintomas como febre e calafrios, por exemplo, é aconselhado consultar um clínico geral, ou um otorrinolaringologista, porque a dor pode estar sendo causada por uma amigdalite ou faringite, por exemplo, que podem precisar de ser tratadas com um antibiótico.

É importante ressaltar a diferença entre a garganta inflamada causada por infecções virais ou bacterianas. Isso porque os remédios caseiros são indicados apenas em casos de infecções virais na proposta de aliviar e tratar os sintomas apresentados. Para saber diferenciar e entender as suas peculiaridades.

No caso da doença viral, é importante não usar antibióticos para tratá-las – pois eles eliminam apenas as bactérias, e não os vírus. Alguns tratamentos naturais são utilizados para a dor de garganta.

Fonte:https://www.tuasaude.com/remedios-para-dor/ https://www.minhavida.com.br/saude/materias/30572-remedios-caseiros-para-dor-de-garganta-entenda-o-que-funciona

Compartilhe esta página!

Open post

Dores de cabeça em dias mais quentes, razões e motivos

O verão é a estação mais esperada. É a estação perfeita para tirar os trajes de piscina e as roupas frescas e leves do armário, além de ser o clima mais apropriado para gozar as férias escolares ou horas vagas ao ar livre, na praia ou no campo.

Mas é precisamente nos meses de alta temperatura que as pessoas mais se queixam de dor de cabeça. Esse tipo de incômodo é corriqueiro neste tempo do ano porque algumas de suas causas estão atreladas precisamente ao calor excessivo.

Em muitos casos, a desidratação é o essencial razão, pois a falta de água no corpo pode estimular deficit no processo de entrada e saída de sódio das células, causando distúrbio no metabolismo e propensão à cefaleia. As altas temperaturas também aumentam o perigo de dor de cabeça devido à sensibilidade do nervo trigêmeo (localizado no crânio) e ao calor, que podem derivar em dilatação das artérias do couro cabeludo, provocando dor.

Além disso, o distúrbio pode acontecer a partir de insolação ou exaustão devido à exposição excessiva ao sol. Outros fatores também podem provocar a dor de cabeça: a alimentação inadequada, luz intensa, ampliação no consumo de bebidas alcoólicas, viagens longas no qual as pessoas ficam por muito tempo fechadas sem ventilação adequada, mudanças bruscas de temperatura causadas pelo ar condicionado, fadiga e a ingestão de alimentos e bebidas muito frios.

Para prevenir a dor de cabeça sem que ela apareça no verão para estragar os seus dias de sol, ponha em prática algumas dicas muito úteis:

> Mantenha o corpo constantemente hidratado com a ingestão frequente de líquidos, como água, sucos e água de côco.

> Proteja os olhos e a cabeça do sol fazendo o uso de guarda-sol, chapéu e óculos escuros. Muita iluminação e calor podem arremeter dores.

> Evite grandes alterações no costume do sono, dormindo ao menos oito horas por noite. O excesso ou a falta de sono geram cefaleia.

> Mantenha uma alimentação saudável e regular evitando os exageros, as gorduras e as frituras.

> Evite jejum prolongado, pois a variação dos níveis de açúcar no sangue também pode causar dores de cabeça.

> Pratique qualquer tipo de exercício físico, pois com exceção de dores de cabeça geradas por pressão arterial elevada ou por indisposição gastrintestinal, a atividade física pode atenuar cefaleias tensionais e enxaqueca.

Se mesmo com essas dicas a dor de cabeça não desvanecer, é aconselhável o uso de analgésicos destinados para dores de cabeça, na dose recomendada. Se a dor perseverar, deve-se buscar um médico

Compartilhe esta página!

Open post

Tendinite, como tratar e evitar dores nos ombros

Fisgadas, câimbras e fragilidade ao erguer qualquer objeto são os principais sintomas da tendinite, uma inflamação do tendão que pode acometer regiões do corpo tais como calcanhares, cotovelos, joelhos, ombros ou pulsos. A tendinite pode ser o consequência do uso demasiado dos tendões e dos músculos.

A tendinite surge quando ocorre um desequilíbrio na força muscular. Fazer movimentos de forma errada ou erguer pesos afora da sua capacidade são as causas mais frequentes.

Fatores de risco

As profissões mais afetadas pelas tendinites de ombro são aquelas em que o sujeito executa atividades com o braço acima da cabeça como professores, trabalhadores braçais, pintores e esportistas que realizam movimentos de arremesso.

Outro fator de risco é a agravo de massa muscular e elasticidade dos tecidos com a velhice. Por isso que pessoas acima dos 60 anos tendem a alegar mais problemas do gênero.

Como identificar se a dor no ombro é tendinite?

Quem apresenta tendinite no ombro pode ter dor durante a movimentação da articulação ? ao levantar o braço acima da cabeça ou durante a prática de algum esporte. A dor comumente ocorre na parte superior do ombro, mas igualmente pode surgir atrás da articulação.

Tratamento

Pode ser feito primeiramente com compressas de gelo (três ou quatro vezes ao dia). Além disso, medicamentos e podem ser utilizados para controle da inflamação e alívio da dor.

Já as sessões de fisioterapia irão auxiliar a conservar ou restabelecer o movimento e a força do membro afetado. Com semelhança aos exercícios físicos, devem ser moderados e não devem causar dor até a recuperação total do tendão contundido. A prática de alongamentos e de fortificação muscular ajuda a precaver novas lesões.

Livre-se da dor no ombro

É necessário manter cautela ao fazer movimentos repetitivos. Eles exigem pausas prolongadas, ou seja, é imprescindível parar e alongar para jamais forçar os tendões e os músculos.

Outra dica essencial é ingerir muito água, pois ajuda a conservar as articulações.

Com os braços soltos faça movimentos circulares para soltar a musculatura e atenuar os tendões nessa área. Em seguida leve o braço esquerdo em direção ao direito e com a mão direita pressione delicadamente o braço até que consiga sentir a musculatura se esticando. Repita esses movimentos três vezes ao dia.

Compartilhe esta página!

Open post

Gastrite, nem sempre é relacionado a dores no estômago

Dores no estômago que você sente, esta azia, queimação, podem ser sintomas de uma série de outras doenças. Dores no epigástrio (boca do estômago), queimação e azia são sintomas típicos de doenças do sistema digestivo alto, que afetam o esôfago, estômago ou duodeno. Essas doenças podem ser gastrites, gastropatias, dispepsias funcionais ou úlceras. A gastrite é caracterizada por um processo inflamatório, que pode ser agudo ou crônico.

Segundo gastroenterologistas, o que acontece é uma infecção da mucosa do estômago.

“É causada por uma bactéria bem peculiar, chamada de ‘helicobacter pylori’, sendo culpado por quase que pela totalidade dos casos de gastrite crônica. A autoimunidade e as alergias são outras causas raras de gastrite. Assim conceituada, esta gastrite esporadicamente causa sintomas.”A bactéria é descoberta por meio de um exame de endoscopia digestiva alta, que analisa toda a região estomacal.

“É factível ter visão da lesão, intensidade e bactéria, e após podemos apontar o antibiótico específico para o problema”

O período para recuperação depois o uso da medicação é rápido e comumente não passa de uma semana. A dieta é uma segunda etapa do tratamento. “Devem ser evitadas nesse fase comidas excessivamente pesadas, ácidas e com condimentos e bebidas gasosas, como refrigerantes”.

Os alimentos e bebidas precisam ser evitados porque eles podem agravar o quadro de dores, mas jamais são causadores da gastrite. “Eles podem gerar ou aumentar os sintomas dispépticos funcionais e, especialmente, os sintomas e sinais da doença do refluxo. É assim que os alimentos gordurosos e oleosos pioram a má digestão, azia, regurgitação azeda e vários outros sintomas”.

Peça para seu médico analisar os sintomas de Estresse

Mas o incômodo também pode surgir quando a indivíduo está em alto nível de estresse, quando a produção natural de ácido clorídrico no estômago para a digestão é elevada. “E esse ácido pode iniciar a irritar a parede do estômago, agravar o refluxo ou úlcera, se existentes”.

Mas a influência do estresse nessas dores não está relacionado à gastrite, mas sim às dispepsias funcionais, que eram chamadas de “gastrite nervosa”. As dispepsias, por exemplo, não aparecem nos exames, mas os sintomas são claros em momentos de alteração emocional ou psicológica. Isso acontece porque, segundo o gastroenterologista e professor da Famerp, “o cérebro e o sistema digestório estão interligados e comunicam-se continuamente, via nervos e hormônios. Daí é fácil entender, como alterações neuroemocionais podem afetar o funcionamento de vísceras, como o estômago.”

Por isso, a tensão excessiva e constante também é culpado por deixar o organismo mais suscetível a desenvolver infecções. Comprovação disso é o resultado sugerido por um estudo realizado no ano passado, pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças, nos Estados Unidos. Até 90% de infecções, inflamações e indisposições são estimuladas pelo estresse.

Compartilhe esta página!

Open post

Causas, sintomas e tratamento de Fadiga Ocular

Ficar horas em frente ao computador, assistindo à televisão, jogando playstation ou mexendo no smart phone ou tablet são atitudes comuns hoje em dia. Com o avanço da tecnologia, principalmente na informática, os hábitos mudaram. Se por um lado os benefícios deste avanço são enormes, por outro os riscos à saúde visual devido ao uso exagerado destas tecnologias também são.

De acordo com especialistas, entre 70% e 90% da população mundial sente desconfortos visuais depois de ficar horas em frente à tela. Apesar de não ser classificada como patologia pela Medicina, a fadiga ocular já é considerada um problema de saúde, fruto da vida moderna, que atinge cerca de 60% das pessoas com menos de 45 anos no mundo, tanto os usuários de óculos quanto os não usuários.

Quando os olhos se concentram num ponto por bastante tempo, eles fazem ajustes imperceptíveis e incontroláveis para obter foco. Estes são denominados microflutuações da adaptação visual e são realizados por meio das contrações de um músculo dentro do olho. Como qualquer outro músculo do nosso corpo, ao realizar um esforço constante, ocorrem o estresse das funções oculares e cansaço. Desta forma, o olho fica inábil de promover o foco exato, ocasionando os sintomas de cansaço ocular.

Entre os sintomas mais comuns da cansaço ocular, podemos destacar:

Os visuais

Dificuldade de focagem ou visão turva, alteração ou flutuação na percepção das cores e aumento da sensibilidade à luz;

Oculares

Sensação de fadiga e dor ocular, olhos vermelhos e secos;

Músculos esqueléticos

Dor de cabeça, dores do pescoço, ombros e costas, irritabilidade e tonturas.

Para recuperar a qualidade visual de quem não tem como fugir da exposição às telas, já existem no mercado oftalmológico algumas soluções que amenizam a sensação de desconforto. Porém, é primordial que antes de buscar qualquer alternativa se faça uma consulta com um oftalmologista, só ele poderá indicar o mais adequado para você!

Hábitos simples, mas que valem muito!

1 – Piscar ajuda na conservação da umidade dos olhos e é substancial para uma boa visão e defesa ocular;

2 – Evite a incidência direta do ar de ventiladores ou aparelhos de ar condicionado no rosto;

3 – Limpe continuamente a tela do computador; a aglomeração de poeiras deteriora a imagem e dificulta a visão;

4 – Mantenha a tela (computador ou TV) numa distância de 50 a 70 cm aproximadamente dos olhos;

5 – Utilize umidificadores de ar no ambiente ou coloque sobre a mesa um copo com água. Isso aumentará um pouco a umidade local;

6- Não pingue colírios sem orientação médica;

7 – Aplique compressa gelada com água filtrada ou mineral durante alguns minutos;

8 – Caso as dicas acima não resolverem de forma eficiente o seu problema, não existe outra maneira de descansar a vista a não ser descansando também o corpo. Comumente quando o corpo está cansado por atividade excessiva, falta de sono ou estresse físico ou mental, nenhuma dessas medidas resolvem;

Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) (http://www.jotazerodigital.com.br/fadiga-ocular–habitos-que-fazem-bem-a-saude-dos-olhos.php)

Compartilhe esta página!

Scroll to top