Garamicina Creme Bula

Garamicina Creme

Infecções primárias da pele:

  • Impetigo contagioso (doença infecciosa de pele);
  • Foliculite superficial (infecção de pelos);
  • Ectima (doença infecciosa da pele);
  • Furunculose;
  • Sicose da barba (inflamação nos locais onde nasce a
    barba);
  • Pioderma gangrenoso (doença inflamatória com formação de
    úlceras na pele).

Infecções secundárias da pele:

  • Dermatite eczematoide infecciosa;
  • Inflamação em áreas ricas em glândulas sebáceas;
  • Dermatite seborreica infectada;
  • Dermatite de contato (tipo de alergia de pele) infectada
    (incluindo veneno de hera);
  • Escoriações infectadas;
  • Infecções fúngicas (micoses) e virais infectadas também por
    bactérias.

Garamicina Creme é indicada também no tratamento de cistos de
pele infectados e certos abscessos cutâneos, quando precedidos de
incisão (abertura) e drenagem (saída), para promover contato
adequado entre o antibiótico e a bactéria infectante.

Foram obtidos bons resultados no tratamento de feridas em locais
de atrito constante (como em escaras de decúbito em pessoas
acamadas) e outras úlceras de pele infectadas, queimaduras
superficiais infectadas, paroníquia (infecção ao redor das unhas),
picadas e mordeduras infectadas, incisões e feridas de pequenas
cirurgias.

Garamicina Creme é indicada para lesões úmidas de infecções
primárias e lesões com infecções secundárias, como as de acne
pustulosa ou dermatite seborreica infectada.

Garamicina Creme ajuda a reter a umidade e é especialmente útil
em infecções na pele com eczemas (doenças inflamatórias da pele) ou
psoríase (lesões com espessamento e descamação da pele).

Garamicina Creme tem sido usada com êxito em crianças de idade
superior a 1 ano, assim como em adultos.

Como o Garamicina Creme funciona?


Garamicina é um antibiótico que atua sobre vários tipos de
bactérias, com alta eficácia no tratamento local das infecções
primárias e secundárias da pele, causadas por bactérias sensíveis à
gentamicina.

Contraindicação do Garamicina Creme

Este medicamento é contra-indicado para uso por pessoas que já
tiveram reações alérgicas a qualquer um dos componentes da fórmula
do produto.

Este medicamento é contra-indicado para menores de 1 ano
de idade.

Como usar o Garamicina Creme

Antes do uso, bata levemente a bisnaga em uma superfície plana
com a tampa virada para cima, para que o conteúdo do produto
permaneça na parte inferior da bisnaga e não ocorra desperdício ao
retirar a tampa.

Deve-se aplicar uma fina camada de Garamicina Creme na pele de
modo a cobrir toda a área afetada, de acordo com as instruções do
item “Posologia”.

Posologia do Garamicina Creme


Você deve aplicar uma fina camada de Garamicina Creme na pele de
modo a cobrir toda a área afetada, 3 a 4 vezes por dia, até a
obtenção de resultados favoráveis.

Caso queira, a área tratada pode ser coberta com uma gaze.

No impetigo contagioso (doença infecciosa de pele), as crostas
(cascas) devem ser removidas antes da aplicação de Garamicina
Creme, a fim de permitir maior contato entre o antibiótico e a
infecção.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar o
Garamicina Creme?


Se você se esquecer de aplicar Garamicina Creme, aplique o
medicamento assim que possível e mantenha o mesmo horário da
aplicação até o término do tratamento.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico
ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Precauções do Garamicina Creme

O uso de antibióticos na pele pode, ocasionalmente, permitir o
crescimento de microorganismos resistentes, como os fungos. Se isso
ocorrer, ou em caso de irritação, sensibilização ou superinfecção,
o tratamento com gentamicina deve ser descontinuado e instituída
terapia adequada.

Interações medicamentosas

Não há informações disponíveis referentes às interações
medicamentosas de Garamicina Creme.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está
fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico.
Pode ser perigoso para a sua saúde.

Advertências do Garamicina Creme


Garamicina Creme pode ser utilizada por pacientes alérgicos à
neomicina (antibiótico para uso em pele), embora se recomende a
observação regular desses pacientes, quando tratados com qualquer
antibiótico de uso na pele.

A absorção sistêmica (no sangue) da gentamicina aplicada na pele
pode ser aumentada se áreas corporais extensas estiverem sendo
tratadas, especialmente durante períodos de tempo prolongados ou na
presença de ferimento na pele. Nesses casos, poderão ocorrer
efeitos indesejáveis característicos do uso sistêmico de
gentamicina. Portanto, recomenda-se cuidados especiais quando o
produto for usado nessas condições, principalmente em lactentes e
crianças.

Garamicina Creme não é indicada para uso oftálmico (nos
olhos).

O agente bactericida de Garamicina Creme não é eficaz em
infecções cutâneas causadas por fungos ou vírus.

Reações Adversas do Garamicina Creme

Junto com os efeitos necessários para seu tratamento, os
medicamentos podem causar efeitos não desejados. Apesar de nem
todos esses efeitos colaterais ocorrerem, você deve procurar
atendimento médico caso algum deles ocorra.

O tratamento com gentamicina tem produzido irritação
transitória, caracterizada por eritema (vermelhidão) e prurido
(coceira).

Caso isso ocorra, informe ao seu médico mas, geralmente, não é
necessário interromper o seu uso.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou
farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do
medicamento.

Informe também à empresa através do seu serviço de
atendimento.

População Especial do Garamicina Creme

Uso durante a gravidez e a amamentação

Uma vez que a segurança do uso de Garamicina Creme em mulheres
grávidas não está estabelecida, não deve ser utilizada em pacientes
grávidas em grandes quantidades ou por períodos prolongados.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres
grávidas sem orientação médica ou do
cirurgião-dentista.

Composição do Garamicina Creme

Apresentações

0,1% em embalagem com 1 bisnaga com 30 g de creme.

Uso dermatológico.

Uso adulto e pediátrico acima de 1 ano.

Composição

Garamicina Creme a 0,1%

Cada grama de contém:

1 mg de gentamicina base.

Excipientes:

clorocresol, éter cetílico polioxietileno, álcool
cetoestearílico, óleo mineral, petrolato branco, petrolato líquido
e fosfato de sódio monobásico.

Superdosagem do Garamicina Creme

Não se espera que uma única superdose de gentamicina produza
sintomas.

O uso excessivamente prolongado de gentamicina na pele pode
produzir lesões por proliferação de fungos ou bactérias
não-suscetíveis.

Tratamento

Quando ocorrer crescimento de fungos ou bactérias resistentes,
deverá ser administrado tratamento antimicótico (contra fungos) ou
antibiótico apropriado.

O que fazer antes de procurar socorro
médico?

Não são necessárias quaisquer condutas imediatas para o caso de
uma superdose com esse medicamento.

Deve-se procurar atendimento médico ou entrar em contato com um
Centro de Controle de Intoxicações assim que possível, tendo em
mãos o nome do medicamento e a quantidade exata aplicada.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento,
procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do
medicamento, se possível.

Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais
orientações.

Interação Medicamentosa do Garamicina Creme

Solução Injetável

Como com outros aminoglicosídeos, o uso concomitante e/ou
sequencial, tópico ou sistêmico de outros antibióticos
potencialmente nefrotóxicos e/ou neurotóxicos deve ser evitado. O
uso concomitante de Sulfato de Gentamicina (substância ativa)
Injetável com outras drogas que são possivelmente nefrotóxicas,
aumenta o risco de nefrotoxicidade. Essas drogas incluem
aminoglicosídeos, vancomicina, polimixina B, colistina,
organoplatínicos, alta dose de metotrexato, ifosfamida,
pentamidina, foscarnet, algumas drogas antivirais (aciclovir,
ganciclovir, adefovir, cidofovir tenovir) anfotericina B,
imunossupressores como ciclosporina, ou tacrolimo e produtos de
contraste de iodo. Se a combinação a ser usada for necessária, a
função renal deve ser rigorosamente monitorada por exames
laboratoriais apropriados.

O uso concomitante de gentamicina com potentes diuréticos, como
ácido etacrínico ou furosemida, deve ser evitado, já que esses por
si só podem causar ototoxicidade. Além disso, quando administrados
por via intravenosa, os diuréticos podem aumentar a toxicidade dos
aminoglicosídeos, porque alteram sua concentração no soro e
tecidos.

Foi relatado aumento de nefrotoxicidade após administração
concomitante de antibióticos aminoglicosídeos e algumas
cefalosporinas.

Foram relatados bloqueio neuromuscular e parada respiratória em
gatos tratados com altas doses de gentamicina (40 mg). Os
antibióticos neurotóxicos e nefrotóxicos podem ser absorvidos em
quantidades significativas da superfície do corpo após irrigação ou
aplicação local. O efeito tóxico potencial de antibióticos
administrados neste uso deve ser considerado.

A possibilidade desse fenômeno ocorrer em humanos deve ser
considerada se a gentamicina for administrada por qualquer via em
pacientes recebendo bloqueadores neuromusculares, tais como
succinilcolina, tubocurarina ou decametônio; anestésicos ou
transfusões maciças de sangue anticoagulado por citrato. Se ocorrer
o bloqueio neuromuscular, sais de cálcio podem reverter esse
fenômeno.

A associação in vitro de aminoglicosídeos com
antibióticos beta-lactâmicos (penicilinas ou cefalosporinas) pode
resultar em uma inativação mútua significativa. Mesmo quando um
aminoglicosídeo e uma penicilina são administrados separadamente
por diferentes vias de administração, foi relatada redução na
meia-vida plasmática ou dos níveis séricos do aminoglicosídeo em
pacientes com disfunção renal e em alguns pacientes com a função
renal normal. Foi relatada redução na meia-vida plasmática da
gentamicina em pacientes com insuficiência renal grave que
receberam carbenicilina concomitantemente com a gentamicina.

Geralmente, tal inativação do aminoglicosídeo é clinicamente
significativa somente em pacientes com a função renal seriamente
prejudicada.

Solução Oftálmica

Não são conhecidas interações com outros medicamentos.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Sulfato de
Gentamicina – Santisa (Solução Injetável) e Sulfato de
Gentamicina – Allergan (Solução Oftálmica).

Ação da Substância Garamicina Creme

Resultados de Eficácia


Solução Injetável

Os dados da ampla literatura disponível sobre o emprego
terapêutico de Sulfato de Gentamicina (substância ativa) contendo
sulfato de gentamicina (substância ativa), mostram que esse
aminoglicosídeo de uso consagrado apresenta índices de eficácia
elevados nas diferentes indicações e usos terapêuticos, quando
administrado por via intramuscular, intravenosa, subconjuntival,
subcapsular (cápsula de Tenon), nebulização ou instilação
intratraqueal direta. Assim, na literatura, estão documentados
resultados favoráveis com o emprego da gentamicina no tratamento de
septicemia, bacteremia (incluindo sepse neonatal), infecções graves
do sistema nervoso (incluindo meningite), infecção nos rins e trato
genitourinário (incluindo infecções pélvicas), infecções
respiratórias, infecções gastrintestinais, infecções na pele, ossos
ou tecidos moles (incluindo queimaduras e feridas infectadas),
infecções intra-abdominais (incluindo peritonite) e infecções
oculares.

Referências bibliográficas:

1. Barn, D., A., Klastersky, J.:
Concentration of gentamicin in bronchial secretions of children
with cystic fibrosis or tracheostomy. In J. Clin, Pharmacol
Biopharm 12:336-341, 1975.
2. Boxerbaum, B. et al: Use of gentamicin in children with cystic
fibrosis. J. Infect. Dis. 124, 293-295, Dec. 1971.(Supplement).
3. Burns, M.W.: Gentamicin in respiratory tract infections. 52-55,
1973.
4. Chang, M.J., et al.: Kanamycin and gentamicin treatment of
neonatal sepsis. Pediatrics 56: 695-699, November, 1975.
5. Corbeel, L. et al.: Treatment of purulent meningitis in infants.
Lancet 1:663, March 24, 1979.
6. Dachy, A. et al: La gentamicine en pédiatrie. Proc. 12th Swiss
Gentamicin Symp. Interlaken 80-82, 1972.
7. Dachy, A. et al: Les indications de la gentamicine en pédiatrie
hospialière. In Table Ronde Gentamicine Ars Medici 76- 90,
1972.
8. Danish, M. A. et al: Aerosolized gentamicin in cystic fibrosis.
Abstract submitted to the American Pediatric Society, Jan.
1977.
9. Dichiro, G.: Cisternography: from early tribulations to a useful
diagnostic procedure. J. Hopkins Med. J. 133:1-15, 1973;
10. Eeckels, R. et al.: Intraventricular and/or intralumbar
treatment of purulent meningitis in infants. Acta Paediatr. Belg.
33:243-251, 1980.
11. Fasano, V.A.: “Gentamicin in the treatment of infections
complicating neurosurgery and neurotraumatology,” Gentamicin: First
International Symposium, Paris, January 1967, Essex Chemie AG,
Lucerne, 1967, pp. 162-168.
12. Goitein, K., et al.: The intrathecal antibiotic route in
meningitis. Harefuah 85:1 165-167, 202, August 15, 1973.
13. Hodges, G.R. an Watanabe, I.: Neurotoxicity of Intrathecal
Gentamicin in the Rabbbit, Veterans Administration Hospital, Kansas
City, Missouri, U.S.A., 1978. D-11818.
14. Kaiser, A.B. and McGee, Z.A.: Aminoglycoside therapy of
gram-negative bacillary meningitis. The New Eng. J. of Med. 293:
1215-1220, December, 1975.
15. Klastersky, J. et al: Endotracheally administered gentamicin
for the prevention of infections of the respiratory tract in
patients with tracheostomy. Chest 65: 650-654, 1974.
16. Klastersky, J. et al: Endotracheal gentamicin for the
prevention of bronchial infections in patients with tracheotomy.
Int Z Klin Pharmakol Ther Toxicol 7:279-86, 1973;
17. Klastersky, J, et al: Prevention of infections in
tracheototamicin patients with endotracheal gentamicin. Abs. Proc.
12th Interscience Conf. on Antimicrobial Agents and Chemotherapy,
Atlantic City, N.J., September 26-29, 1972.
18. Klastersky, J. et al: Endotracheal gentamicin in bronchial
infections in patients with tracheostomy. Chest 61: 117-120,
1972.
19. Lake, K.B., Van Dyke, J.J., Rumsteld, JA.: Combined topical
pulmonary and systemic gentamicin. Chest 68: 62-64, 1975.
20. Liggins, M.R.: Relearning to cope with meningitis. Patient Care
9:138-139, 142-43, 145, 147, 1512, April 15, 1975.
21. Mangi, R., et al: Intrathecal gentamicin in bacterial
meningitis. Clin. Res. 22: 707A, December, 1974.
22. McCracken, G.H., et al.: Pharmacologic evaluation of gentamicin
in new born infants. J. Infect. Dis. 124:214-223, 1971.
23. McCracken, G.H.: Pharmacological basis for antimicrobial
therapy in newborn infants. Am. J. Dis. Child. 128:407-19, Sept.,
1974.
24. McCracken, G.H., Jr., and Mize, Susan G.: A controlled study of
intrathecal antibiotic therapy in gram-negative enteric meningitis
of infancy. J. Ped. 89(1):66-72, July, 1976.
25. Melillo, G., Seccia, A.: Sull’uso topico della gentamicinia in
broncopneumologia. Gazz Med Italiana 133: 129-31, 1974.
26. Moellering, R.C., et al.: Relationship of intraventricular
gentamicin levels to cure a meningites. J. Pediatr. 81:534-37,
Sept., 1972.
27. Nelson, J. And McCracken, G.H.: The current status of
gentamicin for neonate and young infants. J. Infect. Dis.
124:13-14, July 1972.
28. Newman, R.L., et al.: Gentamicin in pediatrics I Report on
intrathecal gentamicin. J. Infect. Dis. 124:S254-S256, Dec., 1971
(Suppl.).
29. Odio, W., Van Laer, E., Klastersky, J.: Concentrations of
gentamicin in bronchial secretions after intramuscular and
endotracheal administration. J. Clin. Pharmacol 15:518-524,
1975.
30. Rahal, J.J. Jr., et al.: Combined intrathecal and
intra-muscular gentamicin for gram-negative meningitis. New Eng. J.
Med. 290:1394-98, June 20, 1974.
31. Rahal, J.J. Jr.: Treatment of gram-negative bacillary
meningitis in adults: Ann. Intern. Med 77:295-302, August,
1972.
32. Ray, C.G.: Sepsis and meningitis in the newborn. Northwest Med.
71:686-88, September, 1972.
33. Regula, H. Et al.: Pharmakokinetische unterschungen uber
sputum-, serum und urinkonzentration von gentamycin nach
aerosol-inhalation. Int. z. Klin Pharmakol Ther Toxikol 7:95-100,
1973.
34. Rubenfires, M. et al.: Gentamicin therapy of paracolobactrum
epidural abscess and meningites. Amer. J. Med. Sci. 257:191-197
(Mar.) 1969.
35. Saad, A.F., et al.: Intracisternal and intrathecal injections
of gentamicin in enterobacter meningites. Arch. Intern. Med.
134:738-40, October, 1974.
36. Salmon, J.H.: Ventriculitis complicationg meningitis. Abs.
Paper Presented 5th Int. Cong. Neurological Surgery, Tokyo, October
7-13, 1973. Excerpt Medica. N° 293, pp. 211-12.
37. Seligman, S.: The rapid differential diagnossis of meningitis.
Med. Clin. North Am. 57:1417-24, November 1973.
38. Sim, Bo Sung., et al.: Clinical use of gentamicin in
neuro-surgery. Presented 1st Asian Symp. Gentamicin, New Delhi,
December 10, 1973 and Bombay, December 12, 1973, pp. 40-41.
39. Truckenbrodt, H., Legler, F., Stephan, U.: Investigations on
the absorption of gentamicin in children after administration as an
aerosol. 13th Int. Kongress fuer Paediatrie, Vienna., Proc
Klinische Pharmakologie von Gentamicin in der Paediatrie 19:55-63,
1971.
40. Vacek V., et al.: Penetration of antibiotics into the
cerebrospinal fluid in inflammatory conditions. Int. J. Clin.
Pharmacol. 2:277-79, 1969.
41. Weiss, M.H. et al.: Antibiotic Neurotoxicity; Laboratory and
Clinical study, J. Neurosurg., 41:486, 1974.

Solução Oftálmica

Em um estudo randomizado, duplo-cego, 488 pacientes portadores
de sinais clínicos de conjuntivite ou blefarite bacteriana aguda,
ou de ambos, foram tratados com solução oftálmica de gentamicina
0,3% (n=243) ou solução de norfloxacino 0,3% (n=245) durante uma
semana. Dos pacientes com cultura positiva, 71% (85/120) dos
pacientes do grupo do norfloxacino e 65% (86/133) dos pacientes
tratados com gentamicina foram curados clinicamente. Um adicional
de 25% (30/120) no grupo do norfloxacino e de 32% (43/133) no grupo
da gentamicina foram considerados melhorados clinicamente. A
condição de cinco pacientes tratados com norfloxacino não melhorou
clinicamente em comparação com oito pacientes no grupo da
gentamicina. Ambos os antibióticos apresentaram eficácia semelhante
contra microorganismos gram-positivos e gram-negativos. A conclusão
do estudo foi de que a gentamicina e o norfloxacino são igualmente
eficazes do ponto de vista clinico e bacteriológico, no tratamento
das infecções oftálmicas.1

Em outro estudo, 158 pacientes portadores de conjuntivite
bacteriana comprovada por cultura, foram tratados com solução
oftálmica de sulfato de gentamicina (substância ativa), ou
trimetoprima+polimixina B, ou sulfacetamida sódica durante 10 dias.
A resposta clínica em 3 a 6 dias após o início do tratamento foi
semelhante para os três agentes testados: com a gentamicina, 28/57
(49%) pacientes foram curados e 26/57 (46%) pacientes melhorados;
com a trimetoprima+polimixina B, 26/55 (47%) foram curados e 25/55
(45%) melhorados; com a sulfacetamida sódica 19/46 (41%) foram
curados e 22/46 (48%) melhorados. Os índices de resposta clínica e
bacteriológica em 2 a 7 dias após o término do tratamento também
foram semelhantes nos três grupos. Cura bacteriológica ocorreu em
39/57 (58%) no grupo da gentamicina, em 44/55 (83%) para a
trimetoprima+polimixina B e em 33/46 (72%) para a sulfacetamida
sódica.2

Referências bibliográficas

1Miller IM, Vogel R,
Cook TJ, Wittreich J. Topically administered norfloxacin compared
with topically administered gentamicina for the treatment of
external ocular bacterial infections. Am J Ophthalmol
1992;113(6):638-644.
2Lohr JÁ, Austin RD, Grossman M, Hayden GF, Knowlton GM,
Dulley SM. Comparison of three topical antimicrobials for acute
bacterial conjunctiviis. Pediatr Infect Dis J;
1998;7(9):626-629.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Sulfato de
Gentamicina – Santisa (Solução Injetável) e Sulfato de
Gentamicina – Allergan (Solução Oftálmica).

Características Farmacológicas


Solução Injetável

O Sulfato de Gentamicina (substância ativa) é uma solução aquosa
estéril para administração parenteral, contendo o antibiótico
aminoglicosídeo gentamicina sob a forma de sulfato.

Testes in vitro demonstraram que a gentamicina é um
antibiótico aminoglicosídeo bactericida que atua inibindo a síntese
proteica bacteriana em microorganismos sensíveis.

É ativa contra ampla variedade de bactérias patogênicas,
Gram-negativas e Gram-positivas, incluindo:

Escherichia coli, Proteus sp. (indol-positivo e
indol-negativo), incluindo Proteus mirabilis, P.morganii e
P.vulgaris, Pseudomonas aeruginosa
, espécies do grupo
Klebsiella-Enterobacter- Serratia sp.,
Citrobacter
sp., Providencia sp. incluindo
Providencia rettger, Staphylococcus sp.
(coagulase-positivo e coagulase-negativo), Neisseria
gonorrhoeae, Salmonella e Shigella
. A gentamicina pode ser
ativa contra isolados clínicos de bactérias resistentes a outros
aminoglicosídeos.

Estudos in vitro demonstraram que um aminoglicosídeo,
combinado com um antibiótico que interfere na síntese da parede
celular, pode agir sinergicamente contra algumas cepas
estreptocócicas do grupo D. A associação de gentamicina e
penicilina G resulta em um efeito bactericida sinérgico contra
quase todas as cepas de Streptococcus faecalis e suas
variedades (S. faecalis var. liquefaciens, S. faecalis var.
zymogenes) S. faecium e S. durans.
Também foi demonstrado
in vitro maior efeito bactericida contra as cepas desses
patógenos com a associação de gentamicina e ampicilina,
carbenicilina, nafcilina e oxacilina.

O efeito combinado da gentamicina e carbenicilina é sinérgico
para muitas cepas de Pseudomonas aeruginosa. Foi demonstrado,
também, o sinergismo in vitro contra outros
microorganismos Gram-negativos com associações de gentamicina e
cefalosporinas.

A gentamicina pode ser ativa contra cepas de bactérias
resistentes a outros aminoglicosídeos. A resistência bacteriana à
gentamicina desenvolve-se lentamente.

Teste de sensibilidade

De acordo com o método descrito, um disco de 10 mcg de
gentamicina deve produzir uma zona de inibição de 13 mm ou mais,
para indicar a sensibilidade do microorganismo. Uma zona de 12 mm
ou menos indica que o organismo infectante provavelmente seja
resistente. Em certas condições, pode ser desejável fazer um teste
de sensibilidade adicional pelo método do tubo ou diluição de
Agar.

Solução Oftálmica

Sulfato de Gentamicina (substância ativa) é um antibiótico
aminoglicosídeo, ativo contra uma ampla gama de bactérias
Gram-positivas e Gram-negativas. Possui atividade contra
Staphylococcus coagulase-positivos e coagulase-negativos,
inclusive algumas cepas resistentes a penicilina,
Streptococcus grupo A beta-hemolítico e não hemolítico,
Diplococcus pneumoniae, Pseudomonas aeruginosa, Proteus spp,
Escherichia coli, Klebsiella pneumoniae, Haemophilus influenzae,
Haemophilus aegyptius, Aerobacter aerogenes, Moraxella lacunata e
Neisseria spp, inclusive Neisseria gonorrhoeae
.

A ação do medicamento inicia-se no primeiro dia de
tratamento.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Sulfato de
Gentamicina – Santisa (Solução Injetável) e Sulfato de
Gentamicina – Allergan (Solução Oftálmica).

Cuidados de Armazenamento do Garamicina
Creme

Conservar o produto em temperatura entre 2 e 30ºC. Proteger
da luz.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide
embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido.
Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas

Garamicina Creme apresenta cor branca, é macio e homogêneo.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso
ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no
aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá
utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das
crianças.

Dizeres Legais do Garamicina Creme

Registo MS 1.7287.0526

Farm. Resp.:

Alexandre de Abreu Villar
CRF-RJ n° 7.472

Registrado por:

Hypermarcas S.A.
Rua Nova Cidade, 404
Vila Olímpia
CEP 04547-071
São Paulo/SP
CNPJ 02.932.074/0001-91
Indústria Brasileira

Fabricado por:

Hypermarcas S.A.
Rio de Janeiro/ RJ

Comercializado por:

Schering-Plough Indústria Farmacêutica LTDA.
São Paulo/SP

Central de Relacionamento:

0800-0122232

Venda sob prescrição médica.

Garamicina-Creme, Bula extraída manualmente da Anvisa.

Remedio Para – Indice de Bulas A-Z.

Compartilhe esta página!

Remédio Para Fóruns Bulas de Medicamentos Garamicina Creme Bula

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #6763
    Anônimo
    Convidado

    Garamicina Creme Bula

    Compartilhe suas experiências sobre este medicamento com outros usuários.
      • Utilizou este Remédio para?
      • Efeitos colaterais.
      • Resultados.
      • Indicações, sugestões e dicas!
    Acessar a Bula do medicamento.
    Garamicina Creme Bula Completa extraída da Anvisa
Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.
Scroll to top