Cloridrato De Minociclina Bula

Cloridrato de Minociclina

Febre maculosa, tifo murino, febre causada por
rickettsias; infecções do trato respiratório causadas por
Mycoplasma pneumoniae; linfogranuloma venéreo, psitacose, tracoma e
conjuntivite de inclusão. Uretrite não-gonocócica e infecções
endocervicais ou retais em adultos causadas por Chlamydia
trachomatis
ou Ureaplasma urealyticum; Febre
recorrente – causada por Borrelia recurrentis, cancróide
causado por Haemophilus ducreyi; Peste – causada por
Yersinia pestis; Tularemia devida à Francisella
tularensis
; Cólera – causada por Vibrio cholerae;
brucelose devido a espécies de Brucella (associada à
estreptomicina); Bartonelose e granuloma inguinal.

É também indicado no tratamento de infecções causadas
pelos seguintes microorganismos Gram-Negativos quando os testes
bacteriológicos indicarem susceptibilidade ao produto:

Escherichia coli, Enterobacter aerogenes, Espécies de
Shigella, Espécies de Acinetobacter.

Infecções do trato respiratório causadas por Haemophilus
influenzae
.

Infecções do trato respiratório e urinário causadas por espécies
de Klebsiella.

O Cloridrato de Minociclina (substância ativa) está
indicada no tratamento de infecções causadas pelos seguintes
microorganismos Gram-positivos quando testes bacteriológicos
indicarem susceptibilidade adequada à droga:

Infecções do trato respiratório superior causadas por
Streptococcus pneumoniae; infecções da pele e anexos
cutâneos causadas por Staphylococcus aureus. O Cloridrato de
Minociclina (substância ativa) não é a droga de escolha no
tratamento de qualquer tipo de infecção estafilocócica. Uretrites
não complicadas no homem causadas por Neisseria gonorrhoeae e para
o tratamento de outras infecções gonocócicas quando a penicilina
for contra-indicada.

Quando a penicilina estiver contra-indicada, o
Cloridrato de Minociclina (substância ativa) representa uma droga
alternativa no tratamento das seguintes infecções:

Infecções em mulheres causadas por Neisseria
gonorrhoeae
, Bouba, listeriose, carbúnculo, Infecção de
Vincent, actinomicose e Infecções causadas por espécies de
Clostridium.

Na amebíase intestinal aguda, o Cloridrato de Minociclina
(substância ativa) pode ser um útil coadjuvante dos amebicidas.

Na acne grave, o Cloridrato de Minociclina (substância ativa)
pode representar uma terapia coadjuvante de utilidade.

O Cloridrato de Minociclina (substância ativa) é indicada no
tratamento de portadores assintomáticos de Neisseria
meningitidis
, para eliminar os meningococos da
nasofaringe.

A fim de prescrever a utilidade do Cloridrato de Minociclina
(substância ativa) no tratamento desses portadores, procedimentos
laboratoriais de diagnósticos incluindo sorotipagem e de
susceptibilidade devem ser realizados para caracterizar o estado de
portador e instituir tratamento correto.

Recomenda-se que esse uso profilático seja reservado para as
situações nas quais o risco de meningite meningocócica for
significativo. O Cloridrato de Minociclina (substância ativa) oral
não está indicada para o tratamento da infecção meningocócica.
Embora nenhum estudo de eficácia clínica controlado tenha sido
realizado, dados clínicos limitados mostram que o Cloridrato de
Minociclina (substância ativa) oral foi utilizada com sucesso no
tratamento de infecções causadas por Mycobaterium
marinum.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento

 

Cloridrato de Minociclina – Rabanxy.

Contraindicação do Cloridrato de
Minociclina

Hipersensibilidade reconhecida às tetraciclinas.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento

 

Cloridrato de Minociclina – Rabanxy.

Como usar o Cloridrato de Minociclina

Recomenda-se a ingestão de quantidade adequada de líquido com a
administração oral de drogas da classe das tetraciclinas (forma
sólida) para reduzir o risco de irritação esofágica e
ulceração.

Deve-se evitar tomar com leite ou durante a alimentação, pois a
absorção deste medicamento pode ser um pouco afetada.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento

 

Cloridrato de Minociclina – Rabanxy.

Posologia do Cloridrato de Minociclina


A dose habitual e a freqüência de administração do Cloridrato de
Minociclina (substância ativa) diferem daquelas de outras
tetraciclinas. Exceder a dosagem recomendada pode resultar em
aumento da incidência de efeitos adversos.

Adultos

A posologia terapêutica usual de Cloridrato de Minociclina
(substância ativa) é de 200 mg como dose inicial, seguida de 100 mg
a cada 12 horas.

Crianças maiores de 8 anos

A posologia usual de Cloridrato de Minociclina (substância
ativa) é de 4 mg/kg inicialmente, seguido de 2 mg/kg a cada 12
horas. As tetraciclinas não são recomendadas em crianças com 8 anos
de idade ou menos.

  • Para o tratamento da sífilis, a posologia usual de Cloridrato
    de Minociclina (substância ativa) deve ser dada por um período de
    10 – 15 dias. É recomendado seguimento rigoroso, incluindo testes
    de laboratório.
  • Pacientes com infecções gonocócicas não complicadas no homem
    (exceto anoretais) podem ser tratados com Cloridrato de Minociclina
    (substância ativa), administrando-se inicialmente 200 mg seguidos
    de 100 mg a cada 12 horas, por no mínimo 4 dias, com culturas pós
    terapia dentro de 2 a 3 dias. No tratamento da uretrite gonocócica
    não complicada no homem, 100 mg duas vezes ao dia por 5 dias é
    recomendado.
  • Infecções uretrais, endocervicais ou retais não complicadas em
    adultos, causadas por Chlamydia trachomatis ou
    Ureaplasma urealyticum 100 mg 2 vezes ao dia, durante
    pelo menos 7 dias.
  • No tratamento do estado de portador de meningococo,
    recomenda-se 100 mg a cada 12 horas por 5 dias.
  • No tratamento da acne 100 mg ao dia.
  • Infecções por Mycobacterium marinum a dose ótima
    não foi estabelecida, mas 100 mg duas vezes ao dia por 6 a 8
    semanas foi usada com sucesso em um número limitado de casos.
  • Em pacientes com prejuízo da função renal, a posologia deve ser
    reduzida através da diminuição das doses e/ou aumento do intervalo
    entre elas.

Informação suplementar

Suscetível

Intermediário

Resistentes

Teste de diluição em tubo

lt; 4,0 µg/mL 4,0 – 12,5 µg/mL

gt; 12,5 µg/mL

Teste em placa*

gt; 18 mm

*Método de Kirby-Bauer, usando disco com 30 mcg de Cloridrato de
Minociclina (substância ativa).

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou
mastigado.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento

 

Cloridrato de Minociclina – Rabanxy.

Reações Adversas do Cloridrato de
Minociclina

Devido à absorção praticamente completa do Cloridrato de
Minociclina (substância ativa) oral, efeitos colaterais para o
trato digestivo inferior, particularmente diarréia, não têm sido
frequentes.

As seguintes reações adversas têm sido observadas em
pacientes recebendo tetraciclinas:

Gastrintestinais

Anorexia, náusea, vômitos, diarreia, dispepsia, estomatite,
glossite, disfagia, hipoplasia do esmalte do dente, enterocolite,
colite pseudomembranosa, lesões inflamatórias (por supercrescimento
de monília) nas regiões oral e anogenital; pancreatite; aumento nas
enzimas hepáticas, raramente hepatite e insuficiência hepática.
Foram relatados raros casos de esofagite e ulcerações esofágicas em
pacientes tomando antibióticos do grupo das tetraciclinas sob a
forma de cápsulas ou comprimidos. A maioria destes pacientes tomava
a medicação imediatamente antes de se deitar.

Geniturinário

Vulvovaginite. Toxicidade hepática Foram relatados
hiperbilirrubinemia, colestase hepática, aumento das enzimas
hepáticas, insuficiência hepática fatal, e icterícia. Hepatite,
incluindo hepatite auto-imune, e insuficiência hepática.

Cutânea

Alopecia, eritema nodoso, hiperpigmentação das unhas, prurido,
necrólise epidérmica tóxica e vasculite. Erupções relacionadas à
droga, incluindo balanopostite. Erupções maculopapular e
eritematosa. Dermatite exfoliativa foi relatada incomumente.
Erupção fixa induzida por fármaco foi relatada. Foram relatados
eritemas multiformes e raramente Síndrome de Stevens-Johnson.
Fotossensibilidade. Foi referida pigmentação da pele e mucosas.

Respiratório

Tosse, dispneia, broncoespasmo, exacerbação de asma e
pneumonia.

Dentária

Foram relatadas manchas nos dentes em crianças de menos de 8
anos de idade, e também raramente em adultos.

Renal

Nefrite intersticial. Aumento do nitrogênio ureico foi relatado
e aparentemente é relacionado à dose. Insuficiência renal aguda
reversível foi relatada.

Musculoesquelético

Artralgia, artrite, descoloração óssea, mialgia, rigidez
articular e inchaço nas articulações.

Hipersensibilidade

Urticária, edema angioneurótico, poliartralgia, púrpura
anafilactóide, miocardite, pericardite, poliartralgia e exacerbação
de lupus eritematoso sistêmico, e infiltrados pulmonares com
eosinofilia. Anafilaxia/ reação anafilática (incluindo choque e
morte) e reações do tipo doença do soro e do tipolupus transitória
também foram relatadas.

Sistema Nervoso Central

Convulsões, tontura, hipestesia, parestesia, sedação e vertigem.
Abaulamento de fontanela foi relatado em crianças pequenas, e
hipertensão intracraniana benigna (Pseudotumor cerebral) foi
relatado em adultos. Cefaleia também tem sido relatada.

Sangue

Agranulocitose, Anemia hemolítica, trombocitopenia, leucopenia,
neutropenia, pancitopenia e eosinofilia foram relatados.

Outras

Câncer de tireoide foi relatado associado aos produtos de
Cloridrato de Minociclina (substância ativa) no
pós-comercialização. Quando Cloridrato de Minociclina (substância
ativa) é administrada por períodos prolongados, o monitoramento de
sinais de câncer de tireoide deve ser considerado.

Quando dadas por longos períodos, as tetraciclinas podem
produzir descoloração castanho-escuro microscópica da tireóide. Não
se reconhecem, entretanto, anormalidades funcionais da glândula.
Diminuição da audição foi raramente relatada.

Zumbido e diminuição da audição foram relatados.

As seguintes síndromes foram relatadas. Em alguns casos
envolvendo tais síndromes, foi relatada morte.

Tal como acontece com outras reações adversas graves, se
qualquer uma dessas síndromes são reconhecidas, o produto
Cloridrato de Minociclina (substância ativa) deve ser descontinuado
imediatamente:

Síndrome de hipersensibilidade consistindo de reação
cutânea (tais como erupção cutânea ou dermatite esfoliativa),
eosinofilia e um ou mais das seguintes:

Hepatite, pneumonite, nefrite, miocardite, pericardite. Febre e
linfadenopatia podem estar presentes.

Síndrome do tipo lúpus consistindo de anticorpo
antinuclear positivo, artralgia, artrite, rigidez articular, ou
inchaço das articulações, e um ou mais das seguintes:

Febre, mialgia, hepatite, erupção cutânea e vasculite. Síndrome
do tipo doença do soro, consistindo de febre, urticária ou erupção
cutânea e artralgia, artrite, rigidez articular, ou inchaço das
articulações.

Interações Droga/Testes Laboratoriais

Falsas elevações dos níveis de catecolaminas urinárias podem
ocorrer devido à interferência com o teste de fluorescência.

Em casos de eventos adversos, notifique o Sistema de
Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA, disponível em

Cloridrato-De-Minociclina, Bula extraída manualmente da Anvisa.

Remedio Para – Indice de Bulas A-Z.

Compartilhe esta página!

Remédio Para Fóruns Bulas de Medicamentos Cloridrato De Minociclina Bula

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #3769
    Anônimo
    Convidado

    Cloridrato De Minociclina Bula

    Compartilhe suas experiências sobre este medicamento com outros usuários.
      • Utilizou este Remédio para?
      • Efeitos colaterais.
      • Resultados.
      • Indicações, sugestões e dicas!
    Acessar a Bula do medicamento.
    Cloridrato De Minociclina Bula Completa extraída da Anvisa
Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.
Scroll to top