Sennalax Bula

Sennalax

Contraindicação do Sennalax

Este medicamento é contraindicado para crianças menores de 12
anos.

Como usar o Sennalax

Este medicamento não deve ser partido, aberto ou
mastigado.

Ingerir duas cápsulas, via oral, à noite, ao deitar-se, ou a
critério médico.

A dose diária não deve ultrapassar a três cápsulas ao
dia.

A utilização de laxantes não deve ultrapassar o período de 1
semana.

Pacientes idosos devem, inicialmente, administrar a metade da
dose prescrita.

Para tratamento de constipação crônica ou habitual, recomenda-se
recorrer a laxantes mecânicos e realizar modificações na dieta e
nos hábitos. O uso deste medicamento por mais de 2 semanas requer
supervisão médica.

Utilizar apenas a via oral. O uso deste medicamento por outra
via, que não a oral, pode causar a perda do efeito esperado ou
mesmo promover danos ao seu usuário.

Precauções do Sennalax

Sennalax é um medicamento. Seu uso pode trazer riscos. Procure
um médico ou um farmacêutico.

Reações Adversas do Sennalax

O uso da Senna Alexandrina Mill (substância ativa) pode
ocasionar desconforto no trato gastrintestinal, com presença de
espasmos e cólicas abdominais. Este caso requer uma diminuição da
dose.

As antraquinonas podem alterar a cor da urina, que pode
apresentar-se amarela ou marrom avermelhada, o que desaparece com a
suspensão do uso do produto.

A pseudomelanosis coli, uma condição que é
caracterizada pelo acúmulo de macrófagos pigmentados no interior da
submucosa intestinal, pode ocorrer após o uso prolongado. Esta
condição é inofensiva e também desaparece com a descontinuação do
uso da droga.

O uso crônico ou superdosagem pode resultar em diarreia, com
distúrbios eletrolíticos, principalmente hipocalemia, acidose ou
alcalose metabólica, albuminúria e hematúria.

A deficiência de potássio pode conduzir a disfunção cardíaca e
neuromuscular, lentidão, inibição da motilidade intestinal e má
absorção, além de dependência, com possível necessidade de aumento
da dose, podendo resultar no agravamento da constipação.

O uso prolongado também está associado à redução na concentração
de globulinas séricas, perda de peso e desenvolvimento de
caquexia.

Em pacientes idosos, o uso contínuo de laxantes pode ocasionar
exacerbação da fraqueza e hipotensão ortostática.

O uso a longo prazo pode resultar ainda em tetania,
hiperaldosterismo, excreção de aspartilglicosamina e nefrite. Além
disso, podem ocorrer alterações anatômicas do cólon e danos aos
nervos do tecido entérico.

O uso prolongado e abusivo da Senna Alexandrina Mill
(substância ativa) tem sido associado com deformidade dos dedos,
que foi reversível após a descontinuação do uso droga. Em casos
raros, pode levar a nefropatias, edema e deterioração acelerada dos
ossos.

Um caso de hepatite foi relatado após o abuso crônico deste
fitoterápico.

Em casos de eventos adversos, notifique ao Sistema de
Notificações em Vigilância Sanitária – NOTIVISA ou para a
Vigilância Sanitária Estadual ou Municipal.

Interação Medicamentosa do Sennalax

O tempo diminuído de trânsito intestinal, em virtude da
utilização de Senna Alexandrina Mill (substância ativa),
pode reduzir a absorção de drogas administradas oralmente,
como por exemplo, os estrógenos. Isto deve ser lembrado para
mulheres que fazem uso de anticoncepcionais hormonais.

A hipocalemia, decorrente da utilização prolongada de Senna
Alexandrina
Mill (substância ativa), pode potencializar os
efeitos dos glicosídeos cardiotônicos (digitálicos,
Strophantus spp.) e pode potencializar as arritmias ou os
efeitos antiarrítmicos, quando do uso concomitante de drogas
antiarrítmicas como quinidina.

O uso simultâneo de Senna Alexandrina Mill (substância
ativa) com outras drogas ou ervas que induzem à hipocalemia, como
diuréticos tiazidas, adrenocorticosteróides ou raiz de alcaçuz,
pode exacerbar o desequilíbrio eletrolítico, resultando em
disfunções cardíacas e neuromusculares. Pode haver interação da
Senna Alexandrina Mill (substância ativa) com a nifedipina
e indometacina e outros antiinflamatórios não hormonais.

As antraquinonas podem alterar a cor da urina, que pode
apresentar-se amarela ou marrom avermelhada, o que desaparece com a
suspensão do uso do produto. Esta alteração de coloração na urina
pode influenciar em testes de diagnósticos; pode ocorrer um
resultado falso positivo para urobilinogênio e para dosagem de
estrógeno pelo método de Kober.

Ação da Substância Sennalax

Resultados da Eficácia


Um estudo realizado em animais com senosídeos A e B, substâncias
que são encontradas na Senna Alexandrina Mill (substância
ativa), demonstrou que após a sua administração (12,5 – 200 mg/kg)
em ratos, a defecação normal foi acelerada em 3 – 4h e a excreção
de fezes macias foi evidente a partir de 4 – 5h, alcançando seu
pico máximo após 5 – 7 horas. Além disso, o tempo de trânsito no
intestino grosso foi dose e tempo dependente do tratamento com
senosídeos A e B. Uma grande mudança foi observada no tempo de
trânsito intestinal.

Após duas horas da administração das substâncias, o tempo de
trânsito passou de 6h no grupo controle para 90 minutos no grupo
tratado. A redução máxima foi observada no grupo tratado após 4h,
onde o tempo de trânsito foi reduzido para 30 minutos com uma dose
de 50 mg/kg.

Estudo clínico foi desenvolvido com vinte e um pacientes. As
idades variaram entre 19 e 85 anos, com uma média de 38 anos. O
tempo de acompanhamento da constipação foi de 3 a 80 meses, com uma
média de 33 meses. Utilizou-se para este estudo, um extrato
padronizado de Senna Alexandrina Mill (substância ativa).
A maioria dos pacientes (81%) respondeu com rapidez ao tratamento
com uma só drágea do medicamento e, em média, foi necessário menos
de uma drágea por dia durante o período de observação que foi de 28
dias para assegurar um ritmo de defecação normal.

Trinta e quatro pacientes de uma clínica ginecológica, na
maioria gestantes, com idades que variavam entre 18 e 62 anos,
foram submetidas a tratamento com geléia de pó de folhas de
Senna Alexandrina Mill (substância ativa), com
administração via oral e por período de três semanas, na posologia
de uma colher de chá (5 centímetros cúbicos) à noite, antes de
dormir.

As pacientes foram avaliadas comparando-se a evolução de
variáveis como tempo para defecar, número de evacuações por semana,
presença de gases, qualidade das fezes e sensação de esvaziamento
total do reto após a evacuação, registradas antes (uma semana de
observação) e depois do tratamento. Todas as variáveis evoluíram de
modo significativamente favorável.

Na avaliação global da eficácia, os resultados foram
considerados satisfatórios em 88,2 por cento dos casos na opinião
do médico e em 82,3 por cento dos casos na opinião dos
pacientes.

Características Farmacológicas


Devido à sua especificidade, os derivados hidroxiantracênicos
são pouco absorvidos no trato gastrintestinal superior.

Os senosídeos (compostos hidrossolúveis inativos) são degradados
por enzimas bacterianas em reinantronas, metabólito ativo que
exerce seu efeito laxativo no cólon. Reduzir a absorção de drogas
administradas oralmente, como por exemplo, os estrógenos. Isto deve
ser lembrado para mulheres que fazem uso de anticoncepcionais
hormonais.

A hipocalemia, decorrente da utilização prolongada de Senna
Alexandrina
Mill (substância ativa), pode potencializar os
efeitos dos glicosídeos cardiotônicos (digitálicos,
Strophantus spp.) e pode potencializar as arritmias ou os
efeitos antiarrítmicos, quando do uso concomitante de drogas
antiarrítmicas como quinidina.

O uso simultâneo de Senna Alexandrina Mill (substância
ativa) com outras drogas ou ervas que induzem à hipocalemia,
como diuréticos tiazidas, adrenocorticosteróides ou raiz de
alcaçuz, pode exacerbar o desequilíbrio eletrolítico, resultando em
disfunções cardíacas e neuromusculares.

Pode haver interação da Senna Alexandrina Mill
(substância ativa) com a nifedipina e indometacina e outros
antiinflamatórios não hormonais.

As antraquinonas podem alterar a cor da urina, que pode
apresentar-se amarela ou marrom avermelhada, o que desaparece com a
suspensão do uso do produto. Esta alteração de coloração na urina
pode influenciar em testes de diagnósticos; pode ocorrer um
resultado falso positivo para urobilinogênio e para dosagem de
estrógeno pelo método de Kober.

Dizeres Legais do Sennalax

Laboratório Cazi
Rua Antônio Lopes, 17 – Jd. Alvorada
Jandira-SP

(11) 4707-5155

Sennalax, Bula extraída manualmente da Anvisa.

Remedio Para – Indice de Bulas A-Z.

Compartilhe esta página!

Remédio Para Fóruns Bulas de Medicamentos Sennalax Bula

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #12205
    Anônimo
    Convidado

    Sennalax Bula

    Compartilhe suas experiências sobre este medicamento com outros usuários.
      • Utilizou este Remédio para?
      • Efeitos colaterais.
      • Resultados.
      • Indicações, sugestões e dicas!
    Acessar a Bula do medicamento.
    Sennalax Bula Completa extraída da Anvisa
Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.
Scroll to top