Hirudoid Gel Bula

Hirudoid Gel

  • Manchas roxas (hematomas) que aparecem após traumas ou
    contusões, ou após cirurgias;
  • Inflamação nas veias superficiais (flebites ou tromboflebites),
    após injeção de medicamentos numa veia ou punção de uma veia para
    colher exames de sangue.

Também está indicado para auxiliar o tratamento nos
seguintes casos:

  • Varizes nas coxas e pernas, sem feridas abertas;
  • Em casos de inflamação dos vasos linfáticos ou linfonodos
    (linfangites ou linfadenites) que ocorre, por exemplo, na
    erisipela;
  • Em furúnculos;
  • Nas mamas (mastite).

Como o Hirudoid Gel funciona?


Hirudoid® gel diminui a inflamação, com o alívio da
dor, redução do inchaço e da vermelhidão de áreas com varizes ou
manchas roxas decorrentes de contusões (batidas, traumas) ou
cirurgias ou em outras situações semelhantes. Hirudoid®
gel também alivia a sensação de peso nas pernas causada pelo
inchaço. A melhora dos sintomas pode ser observada, geralmente, a
partir de dois dias de uso do produto.

Contraindicação do Hirudoid Gel

Você não deve usar Hirudoid® gel se for
alérgico ou sensível a qualquer um dos componentes da
fórmula.

Como usar o Hirudoid Gel

Hirudoid® gel é um medicamento de uso tópico/uso
externo.

Aplicar uma camada de Hirudoid® gel sobre a região
afetada, espalhando suavemente três a quatro vezes ao dia ou mais,
de acordo com a necessidade e indicação médica.

No caso de úlceras ou inflamações extremamente dolorosas,
especialmente nas pernas e coxas, compressas com gaze podem ser
utilizadas.

Para a prevenção de flebites ou tromboflebites nas veias
superficiais que podem se desenvolver após injeção de medicamentos
numa veia ou em exames de sangue recomenda-se aplicar

Hirudoid® gel imediatamente após a injeção ou coleta
de sangue.

Hirudoid® gel deverá ser aplicado até o
desaparecimento dos sintomas.

Geralmente a duração do tratamento em casos de lesões é de dez
dias e, no caso de inflamação das veias, de uma a duas semanas. É
esperado que ocorra melhora dos sintomas após catorze dias de
tratamento contínuo e que os sintomas não voltem após o término do
tratamento.

Siga corretamente o modo de usar. Em caso de dúvidas
sobre este medicamento, procure orientação do
farmacêutico.

Não desaparecendo os sintomas, procure orientação de seu
médico ou cirurgião-dentista.

O que devo fazer quando eu me esquecer de usar
o Hirudoid Gel?


Se você se esquecer de aplicar o produto, aplique-o assim que se
lembrar, não ultrapassando o número de aplicações diárias
estabelecido para o produto, ou conforme orientação médica.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico
ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

Precauções do Hirudoid Gel

Hirudoid® gel não deve ser usado em feridas abertas,
pois contém álcool.

Não se recomenda o uso de Hirudoid® gel nos olhos e
nas mucosas (por ex. dentro da boca, nariz, ânus etc.).

Não é recomendado o uso do produto durante a gravidez e
no período de amamentação.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres
grávidas sem orientação médica.

Hirudoid® gel pode ser usado em crianças e idosos,
desde que observadas as precauções comuns ao medicamento.

Reações Adversas do Hirudoid Gel

A aplicação de Hirudoid® poderá causar reações
alérgicas como vermelhidão na pele.

Alguns casos isolados de dermatite por contato foram relatados
com o uso de Hirudoid®. Esses sintomas desaparecem com a
interrupção do uso do medicamento.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou
farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do
medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de
atendimento.

Composição do Hirudoid Gel

Cada grama de gel Hirudoid®
300 contém:

Polissulfato de mucopolissacarídeo

3 mg

Ingredientes não ativos q.s.p

1 g

Excipientes: 

propilenoglicol, carbômer, perfume, álcool etílico, hidróxido de
sódio, água purificada.

Cada grama de gel Hirudoid® 500
contém:

Polissulfato de mucopolissacarídeo

5 mg

Ingredientes não ativos q.s.p

1 g

Excipientes: 

propilenoglicol, carbômer 934, trolamina, monoetiléter de
dietilenoglicol, óleo de rícino polioxilado hidrogenado, álcool
etílico, perfume, água purificada.

Apresentação do Hirudoid Gel


Hirudoid® 300 Gel 

Apresentado em cartuchos contendo bisnagas com 40 g de gel.

Hirudoid® 500 Gel 

Apresentado em cartuchos contendo bisnagas com 20 g, 40 g ou 90
g de gel.

Uso dermatológico.

Uso externo.

Uso adulto e pediátrico.

Superdosagem do Hirudoid Gel

Não existem casos de superdose descritos. O produto é bem
tolerado. Se a aplicação na pele causar desconforto, recomenda-se
lavar o local.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento,
procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do
medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você
precisar de mais orientações.

Interação Medicamentosa do Hirudoid Gel

Até o momento não foram relatadas interações entre
HIRUDOID® gel e outras substâncias.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está
fazendo uso de algum outro medicamento.

Ação da Substância Hirudoid Gel

Resultado de eficácia do Polissulfato de
Mucopolissacarídeo Comprimidos Revestido

Um estudo submeteu 100 pacientes, apresentando obstruções
tubárias, relacionadas a processos inflamatórios anexiais crônicos,
a um tratamento por hidrotubações medicamentosas com
mucopolissacaridase. A seleção dos casos se fez com HSG. As
hidrotubações foram feitas em prédeterminados na dose de 200 TRU. O
controle final, feito após 180 dias, seguindo os parâmetros,
apresentou o seguinte resultado: A – Restabelecimento da
permeabilidade tubária, e B – Gravidez subsequente. Os resultados
obtidos em 29 casos, restabelecimento da permeabilidade tubária; em
26 casos, gravidez subsequente. No total, 55 pacientes (55%) foram
beneficiadas, o que credencia o método como excelente no tratamento
da esterilidade primária ou secundária devida ao fator tubário.

Outro estudo, pesquisadores associaram três substâncias
enzimáticas cuja atividade é sinérgica, a saber: alfaquimotripsina,
mucopolissacaridase e alfa-amilase. Foi estudada a ação desta
associação, em drágeas, em certo número de intervenções ortopédicas
comportando um grupo importante de meniscectomias. Após descrever a
técnica operatória que respeita a integridade dos ligamentos, o que
permite uma reeducação precoce iniciada 48 horas após a
intervenção, os autores analisaram os resultados obtidos: se a
titulo preventivo, a administração da associação em drágeas
iniciada 2 dias antes da intervenção, em 20 pacientes; seja a
título curativo, a administração da associação em drágeas no dia da
intervenção, em 25 pacientes. 

No primeiro caso, 10 muito bons resultados, ausência de edema no
quarto dia e fácil reeducação; no segundo caso, 9 muito bons
resultados, mesmo critério. 19 outros pacientes submetidos a
intervenções diversas: resseções ligamentares, sinovectomias, etc.,
receberam, igualmente, o medicamento em drágeas. 64 pacientes no
total foram assim tratados: 44 puderam, graças a essa terapia, ter
pós-operatório sem complicações e se beneficiaram de uma redução
precoce, apenas em um caso em que foi observada uma erupção, a
tolerância foi excelente em todos os pacientes tratados.

O edema pós-traumático do períneo, em ginecologia e obstetrícia,
é um fenômeno corrente. Foi, portanto, interessante utilizar
Polissulfato De Mucopolissacarídeo (substância ativa) em drágeas em
60 mulheres hospitalizadas (57 parturientes e 3 pacientes de
ginecologia), a título preventivo nos casos em que se previa uma
episiotomia ou uma ruptura vaginal e a título curativo após
aplicação de fórceps ou nos casos de edema sem lesão aparente do
períneo. 

A duração da administração foi, em média, de cinco dias, na dose
de 6 comprimidos por dia. Registrou-se 22 casos muito bons, 8 casos
médios, 3 casos nulos. A tolerância ao medicamento foi classificada
pelos autores como ótima. 

Resultado de eficácia do Polissulfato de
Mucopolissacarídeo Creme

Em um estudo, o autor tratou mediante aplicação de Polissulfato
De Mucopolissacarídeo (substância ativa) creme, 24 casos de
edemas dolorosos dos membros inferiores (pernas grossas e
dolorosas, mixodermias, hipodermites com corrimento, eritrocianoses
dolorosas e edemas diversos). A apreciação dos resultados foi
baseada sobre: a – a redução ou desaparecimento das dores, b –
diminuição do volume da perna, c – as modificações da cianose, d –
o aumento da mobilidade da pele. 

Em 3 bons resultados, os 4 parâmetros de apreciação foram
melhorados. Os resultados bons e médios abrangem os outros casos
nos quais os sucessos, se bem que tangíveis, foram menos
evidentes.

Convém assinalar que

  • Grande porcentagem de sucessos obtidos nas pernas grossas (13
    doentes) onde o autor demostrou: 7 muito bons resultados, 4 bons, 1
    médio e um único fracasso;
  • A melhoria quase constante dos fenômenos dolorosos;
  • A relação entre a qualidade dos resultados (e especialmente o
    desaparecimento dos fenômenos dolorosos) e o ritmo das aplicações
    de Polissulfato De Mucopolissacarídeo (substância ativa) creme. O
    autor concluiu pela real eficácia deste processo terapêutico
    simples.

24 mulheres acima de 18 anos de idade, apresentando
hidrolipodistrofia localizada nos membros inferiores, associada ou
não com obesidade moderada, não excedendo 30% do peso teórico ideal
calculado conforme fórmula de Lorentz (ITW =T – 100-T-150: 2) e
aceitando receber o tratamento sobre apenas uma coxa, foram
incluídos no estudo. As pacientes não apresentaram qualquer tipo de
alergia ao Polissulfato De Mucopolissacarídeo (substância ativa) ou
qualquer outro tipo de desordens que pudessem interferir no
tratamento, e, não tomaram nenhuma droga diurética,
anorexígena ou extratos de tireoide durante o estudo. 

Polissulfato De Mucopolissacarídeo (substância ativa) creme foi
aplicado 2 vezes ao dia ao redor do trocanter, superfície externa
da coxa e do joelho. Apenas uma coxa foi tratada (a coxa
tratada foi escolhida através da grade de distribuição aleatória,
antecipadamente).

O tratamento levou um mês e o critério de eficácia foi o
seguinte

  1. Pele normal.
  2. Endurecimento da pele.
  3. Pele com aspecto de casca de laranja.
  4. Associação do item 2 e 3.

Após a admissão no estudo, as circunferências médias das coxas
foram comparadas nos dois grupos (grupo de coxas tratadas e grupo
de coxas não tratadas envolvendo as mesmas pacientes). Após 30 dias
de tratamento, houve uma diminuição considerável na circunferência
das coxas tratadas em relação àquelas que não foram tratadas, e
esta diferença foi significativamente em favor do Polissulfato De
Mucopolissacarídeo (substância ativa) (p = 0,0005).
Interessante notar que as pacientes que tiveram a sua pele
melhorada em razão do tratamento, apresentavam uma pele endurecida,
às vezes associada com uma aparência de ‘casca de laranja’.

O tratamento realizado com Polissulfato De Mucopolissacarídeo
(substância ativa) creme possibilitou o amaciamento da pele, ao
ponto de tomar a pele normal novamente em muitos casos,
considerando que no grupo não tratado, este aspecto de ‘casca de
laranja’ permaneceu inalterado. A finalização deste estudo foi
excelente, não houve nenhuma baixa ou desistência por parte das
pacientes e a segurança do medicamento também foi excelente, pois
nenhum efeito adverso foi observado. Pode concluir-se também a
eficácia do Polissulfato De Mucopolissacarídeo (substância ativa)
creme sobre a pele endurecida com aspecto de ‘casca de
laranja’, características da hidrolipodistrofia. Na verdade,
notou-se uma redução significativa na associação pele com aspecto
de casca de laranja com pele endurecida nas coxas tratadas com o
produto em comparação às coxas não tratadas das mesmas
pacientes.

Características farmacológicas

Sabe-se que na vigência de um processo de obesidade ou formação
de edema ocorre uma hiperpolimerização dos mucopolissacarídeos
encontrados no tecido conjuntivo.

Isso significa que na substância fundamental do tecido
conjuntivo aparecerá um excesso de longas cadeias de
mucopolissacarídeos.

A água possui extrema afinidade pelos mucopolissacarídeos,
devido à sua característica hidrofílica, dessa forma a água liga-se
a essas moléculas, recebendo o nome de água de solvatação. Assim, a
substância fundamental do tecido conjuntivo torna-se bem mais
viscosa e, em decorrência, o metabolismo fica comprometido (o
metabolismo celular não ocorre naturalmente porque os nutrientes
encontram dificuldade para chegar até as células, de forma
figurada, poderia dizer que as células ficam ilhadas).

Os mucopolissacarídeos que se encontram associados à água de
solvatação constituem parte de uma estrutura denominada
proteoglicana, que por sua vez são complexos formados de
mucopolissacarídeos (ácido hialurônico e ácido
condrotino-sulfúrico) com proteínas. O tecido conjuntivo tem como
principal função a ligação intercelular, onde se encontram diversos
elementos: sais minerais, mucopolissacarídeos isolados e associados
às proteínas (formando proteoglicanas) água, etc. No caso de
células ‘normais’ as macromoléculas são drenadas através dos vasos
linfáticos e, o que é mais importante, os nutrientes são
metabolizados normalmente: passam dos capilares para o meio
intercelular, chegam com facilidade às células, ocorrendo seu
aproveitamento e os resíduos retornam aos capilares sanguíneos.

No caso do tecido conjuntivo de um paciente obeso ou edemaciado,
existe um excesso de mucopolissacarídeos, ou melhor, uma
hiperpolimerização dos mucopolissacarídeos; surge também uma grande
quantidade de água de solvatação a qual está associada aos
mucopolissacarídeos das proteoglicanas. Há também uma grande
dificuldade dos nutrientes entrarem na célula, pois o aumento da
viscosidade da substância fundamental do tecido conjuntivo
dificulta as trocas metabólicas.

Assim, esse medicamento despolimeriza as cadeias de
mucopolissacarídeos, mobilizando assim a água retida, reduzindo,
portanto, a viscosidade da substância fundamental e promovendo, em
última análise, uma diurese fisiológica.

As enzimas são também conhecidas como catalisadores biológicos
ou substâncias capazes de acelerar determinadas reações químicas,
sem interferir no produto final das mesmas.

A classificação dessas substâncias pode ser feita de acordo com
os seus substratos ou de acordo com sua origem.

Clinicamente são utilizadas quimiotripsina, tripsina, bromelina,
papaína (são denominadas de endopeptidases, pois hidrolisam uniões
peptídicas internas e polipeptídios), estreptoquinase
(exopeptidases, pois hidrolisam dipeptídeos em aminoácidos
terminais), alfamilase (hidrolisam os polissacarides em
dissacarides) e hialuronidase.

A mucopolissacaridase, enzima com ação lítica sobre o ácido
hialurônico e o ácido condroitinsulfúrico, componentes da
substância fundamental amorfa, age liberando a água de solvatação,
facilitando as trocas metabólicas locais e a degradação do tecido
queloide. É extraída dos testículos dos bovinos onde a ação
principal é a diminuição da viscosidade da substância fundamental
do tecido conjuntivo.

Sua propriedade essencial é a despolimerização dos
mucopolissacarídeos, corpos bioquímicos complexos, que entram na
constituição da substância fundamental do tecido conjuntivo, e
regulam, em grande parte, a distribuição de água nesses tecidos. Os
mucopolissacarídeos podem formar um gel de viscosidade elevada que
se constituem num obstáculo aos fenômenos vitais de difusão e
intercâmbio celulares. Para facilitar o intercâmbio extracelular
com o adipócito, a mucopolissacaridase auxilia na terapêutica da
obesidade, diminuindo a viscosidade intercelular, facilitando a
drenagem linfática, fator comprometido na gênese da celulite, e
também facilitando a difusão de medicamentos.

Sendo assim, são utilizadas para acelerar a velocidade de
absorção e diminuir o desconforto causado por injeção subcutânea ou
intramuscular de líquidos em excesso e sangue extravasados nos
tecidos e para aumentar a eficácia dos anestésicos locais.

Cuidados de Armazenamento do Hirudoid Gel

Hirudoid® deve ser mantido em temperatura ambiente
(entre 15ºC e 30ºC).

Após o uso, mantenha a bisnaga bem fechada para evitar
contaminação do produto.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide
embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido.
Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Hirudoid® gel 300

Gel incolor a levemente amarelado, com perfume semelhante ao de
tangerina.

Hirudoid® gel 500

Gel incolor a amarelado, com perfume de lavanda.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso
ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no
aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá
utilizá-lo.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das
crianças.

Dizeres Legais do Hirudoid Gel

MS-1.0454.0013

Farm. Resp.:

Dr. Eduardo Mascari Tozzi
CRF-SP n° 38.995

Registrado e fabricado por:

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.
Alameda Xingu, 766 – Alphaville
Barueri – SP
CNPJ 60.874.187/0001-84
Indústria Brasileira

SAC:

08000-556596

Siga corretamente o modo de usar, não desaparecendo os
sintomas procure orientação médica.

Hirudoid-Gel, Bula extraída manualmente da Anvisa.

Remedio Para – Indice de Bulas A-Z.

Compartilhe esta página!

Remédio Para Fóruns Bulas de Medicamentos Hirudoid Gel Bula

Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Autor
    Posts
  • #7481
    Anônimo
    Convidado

    Hirudoid Gel Bula

    Compartilhe suas experiências sobre este medicamento com outros usuários.
      • Utilizou este Remédio para?
      • Efeitos colaterais.
      • Resultados.
      • Indicações, sugestões e dicas!
    Acessar a Bula do medicamento.
    Hirudoid Gel Bula Completa extraída da Anvisa
Visualizando 1 post (de 1 do total)
  • Você deve fazer login para responder a este tópico.
Scroll to top